Beautiful Asian young woman sitting on bed take sleeping pill or night medicine in bedroom. Unhealthy sick Indian female suffers from insomnia or headache, depressed girl holds antidepressant meds.

Como a falta de sono contribui para a inflamação?

Não dormir inflama? Piora o lipedema?!

A privação do sono está associada a marcadores de inflamação, como aumentos de moléculas inflamatórias incluindo citocinas, interleucina-6, proteína C reativa e outros.

A inflamação é a resposta natural do corpo a doenças e lesões. Quando você apresenta uma infecção respiratória ou se corta, seu sistema imunológico ativa os glóbulos brancos, que por sua vez liberam citocinas e outras moléculas inflamatórias que atacam os invasores e protegem os tecidos do corpo. Quando esta resposta é temporária, serve como um mecanismo de defesa eficaz e importantíssimo para a sua sobrevivência. Mas quando a inflamação não diminui, pode contribuir para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, diabetes, derrame, câncer, doença de Alzheimer e lipedema.

A privação do sono está associada a marcadores de inflamação, como aumentos de moléculas inflamatórias incluindo citocinas, interleucina-6, proteína C reativa e outros. Embora esses sinais de inflamação possam ser atribuídos a outros fatores como estresse, tabagismo ou obesidade, por exemplo, eles sugerem que a privação do sono desempenha um papel importante no processo inflamatório. E eles podem ajudar a explicar por que as pessoas que dormem mal estão em risco maior de doenças crônicas como as doenças cardiovasculares, pressão alta, diabetes, etc.

Como a falta de sono contribui para a inflamação?

Uma teoria se concentra nos vasos sanguíneos. Durante o sono, a pressão arterial cai e os vasos sanguíneos relaxam. Quando o sono é restrito, a pressão arterial não diminui como deveria, o que pode desencadear células nas paredes dos vasos sanguíneos que ativam a inflamação. A falta de sono também pode alterar o sistema de resposta ao estresse do corpo. Cada vez mais aumentando a resposta inflamatória do corpo ao estresse que irá causar envelhecimento preferencialmente em alguma região do corpo. Nas mulheres com lipedema, isso ocorre nas pernas.

“ Além disso, um déficit de sono interfere na função normal do sistema linfático do cérebro que não deve ser confundido com o sistema linfático no resto do corpo. Nas fases mais profundas do sono, o líquido cefalorraquidiano corre pelo cérebro, varrendo a proteína beta-amilóide ligada a danos nas células cerebrais. Sem uma boa noite de sono, esse processo de limpeza é menos completo, permitindo que a proteína se acumule e a inflamação se desenvolva. Então, um ciclo vicioso se instala. O acúmulo de beta-amilóide no lobo frontal do cérebro começa a prejudicar o sono de ondas lentas não REM mais profundo. Esse dano torna mais difícil dormir, reter e consolidar memórias. A privação de sono piora muito todas as inflamações, inclusive no lipedema. O sono sempre deve ser uma prioridade.”

Apenas uma noite de sono mal dormida pode manter os níveis de beta-amilóide mais altos do que o normal. O problema não é tanto a falta de sono de uma única noite, que você pode compensar, mas um padrão cumulativo de perda de sono, levando a diminuições na integridade estrutural, tamanho e função de regiões cerebrais como o tálamo e o hipocampo, que são especialmente vulneráveis a danos durante os estágios iniciais da doença de Alzheimer.

Você prioriza o seu sono?

Deveria

Medical physician doctor man over white background. Medicine and health care concept

Quais exames podem ser solicitados para confirmar o diagnóstico de lipedema?

Confira quais exames podem ser solicitados para confirmar o diagnóstico de lipedema

“Fazer o correto diagnóstico é crucial porque o tratamento para cada condição é diferente. No início dos casos de linfedema, medicação, drenagem linfática ou compressão elástica são eficientes. Enquanto no lipedema, existem medicações e cremes que melhoram o quadro podendo ser realizada cirurgia nos casos mais avançados”, explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular e especialista em lipedema que atende em São Paulo e Campinas.

Confira quais exames podem ser solicitados para confirmar o diagnóstico de lipedema:

1º Exame médico

A anamnese e exame clínico são importantíssimos para o diagnóstico do lipedema.

Os critérios diagnósticos para lipedema são:

1) Ocorrência quase exclusiva em mulheres que desenvolvem na terceira década de vida.
2) Natureza bilateral e simétrica com envolvimento mínimo dos pés.
3) Edema mínimo com depressões (edema sem depressões).
4) Dor, sensibilidade e facilidade para hematomas.
5) Aumento persistente, apesar da elevação do membro ou perda de peso.
6) Fragilidade vascular aumentada; hematomas sem trauma.
7) Muita celulite (profunda).
8) Extremidades frias.
9) História familiar positiva.
10) Câimbras.
11) Pouca gordura visceral.

2º Ultrasssom

Segundo a publicação internacional em parceria com o Dr. Alexandre Amato na revista Phebology é possível fazer o diagnóstico de Lipedema através da demarcação de áreas específicas da perna que irão confirmar o diagnóstico (DOI: 10.1177/02683555211002340).

3º Bioimpedância

A bioimpedância ou bioimpedanciometria é um exame não invasivo que avalia a densidade corporal da pessoa por meio de uma corrente elétrica de baixa amplitude e alta frequência (50 kHz), em corrente alternada. Além de calcular o peso, ela também informa a porcentagem de gordura, de hidratação, de ossos e de músculos em cada segmento do corpo. É possível calcular a taxa de metabolismo basal e fazer a volumetria dos membros.

4º DXA
O dxa consiste em um exame que realiza a composição corporal por densitometria por dupla emissão de raios X (DXA) calculando a quantidade de gordura, osso e massa magra, incluindo músculo, vísceras e água, e classifica os achados. É possível fazer a volumetria dos membros.

5º Ressonância Nuclear magnética

A Ressonância Nuclear Magnética (RNM) é uma técnica de diagnóstico que utiliza um campo magnético para produzir imagens das estruturas localizadas no interior do corpo. Ela é um dos exames por imagem mais precisos e eficazes para detectar e diagnosticar inúmeras patologias e pode confirmar o acúmulo de gordura nas pernas.

6º Exame de Sangue

O exame de Fator IV plaquetária aumentado no lipedema e linfedema (PF4/CXCL4) foi descrito em uma publicação com fator diagnóstico.

Dormir mal piora a dor. Inclusive do Lipedema!

Sem dúvida nenhuma nada é tão prejudicial para a sua saúde quanto dormir mal. Mas você sabia que também piora a dor? Inclusive do Lipedema!

Em um artigo recente pesquisadores descobriram que o sono ruim interfere em certos centros de dor do cérebro e pode mudar a forma como uma pessoa percebe e reage ao desconforto

Nada é tão prejudicial para o seu metabolismo quanto uma noite de sono mal dormida. Imagina então uma sequencia de semanas, meses e anos sem dormir adequadamente. Não estamos falando apenas de cansaço no dia seguinte mas de um estrago enorme em todos os mecanismos do corpo. Além disso tudo, a falta de sono pode torná-la mais sensível à dor.

Em um artigo recente pesquisadores descobriram que o sono ruim interfere em certos centros de dor do cérebro e pode mudar a forma como uma pessoa percebe e reage ao desconforto. No estudo, os cientistas escanearam os cérebros de 25 adultos saudáveis em dois ambientes de sono: primeiro, depois de dormirem oito horas e, novamente, depois de ficarem acordados por 24 a 28 horas. Durante os dois exames, eles também receberam níveis desconfortáveis de calor nas pernas.

Este estudo foi realizado com pessoas novas. Como a dor se torna mais frequente na meia-idade e no final da vida, provavelmente os efeitos da privação do sono pioram ao longo da vida.

Os exames mostraram que, quando o grupo foi privado de sono, eles tiveram um aumento de 120% na atividade de seu córtex somatossensorial, a região do cérebro que interpreta como é a dor. Isso significa que seu limiar de dor era mais baixo do que depois de dormirem por oito horas.

Quando o grupo foi privado de sono, eles também tiveram uma queda de 60% a 90% na atividade em seu corpo estriado e ínsula, duas áreas do cérebro que, quando ativadas, normalmente atenuam a percepção da dor. Os cientistas observaram que a falta de sono torna o corpo menos resiliente e que as pessoas que sofrem de dor muitas vezes podem ser ajudadas melhorando o sono.

“ Esse estudo demonstra mais uma importante função do sono. A privação aguda do sono amplifica a reatividade da dor no córtex somatossensorial primário humano (masculino e feminino), mas diminui a reatividade da dor nas regiões de avaliação e tomada de decisão de ordem superior do estriado e do córtex da ínsula. Consistente com essa assinatura neural alterada, a privação do sono expande a faixa de temperatura para classificar um estímulo como doloroso, especificamente por meio da redução dos limiares de dor. Imagina o efeito disso no longo prazo. O sono deve ser colocado como prioridade no tratamento de qualquer doença como no Lipedema, mas o paciente raramente é questionado sobre o sono em uma consulta médica.”

Mesmo pequenas mudanças noturnas na qualidade do sono (aumento e diminuição) dentro de um indivíduo determinam mudanças diárias consequentes na dor experimentada (diminuição e aumento, respectivamente). A qualidade do sono deve ser um alvo terapêutico para o controle da dor, incluindo circunstâncias em que o sono é frequentemente curto, mas a dor é abundante por exemplo, o ambiente hospitalar.

Quando falamos de sono não estamos falando de uso de medicações para dormir e sim de entender o que está ocorrendo no dia-a-dia da pessoa que está interferindo na qualidade do sono. O sono deve ser restaurador e devemos passar por todas as fases do sono para mantermos o equilíbrio do corpo.

Embora tenha sido testado apenas o calor, provavelmente todas as modalidades de dor pioram com a privação do sono, inclusive a dor do lipedema, pois os mecanismos de alteração foram centrais e não periféricos.

E você? Como está a qualidade do seu sono? Você tem priorizado o seu sono?

Business Woman getting crazy with of her laptop.

Saiba as melhores dicas para controlar o estresse e progredir no tratamento do Lipedema

2 anos de pandemia e uma guerra estão deixando você no limite e piorando o Lipedema?

O stress não está fácil para ninguém. Saiba as melhores dicas para controlar o stress e progredir no tratamento

O stress não está fácil para ninguém. Saiba as melhores dicas para controlar o stress e progredir no tratamento

Para a maioria das pessoas, está muito difícil lidar com o stress  e isso é um problema potencial para a saúde. O estresse aumenta os riscos de doenças crônicas, às quais o corpo já está mais vulnerável após uma vida inteira de desgaste e talvez hábitos pouco saudáveis, como uma alimentação inadequada ou não praticar atividade física.

Por que o estresse faz mal?

Precisamos da resposta ao estresse do corpo, “luta ou fuga”, para superarmos momentos extremamente difíceis. Quando você sente uma ameaça ou perigo, seu corpo enfrenta o desafio liberando hormônios do estresse, apertando seus músculos, fazendo sua pressão arterial subir e seu coração e pulmões trabalharem mais e liberando uma onda de gordura e açúcar para lhe dar energia. Quando o perigo diminui, seu corpo volta às operações normais.

“Hoje em dia não fugimos mais de animais ou lutamos pela própria sobrevivência. O estresse não é mais momentâneo, é contínuo. Se você ficar estressada com frequência a resposta ao estresse pode se tornar constante e causar danos contínuos, incluindo inflamação crônica. A ativação persistente do sistema imunológico aumenta drasticamente os riscos de muitas doenças, como demência, doenças cardiovasculares, derrame e piora muito o Lipedema. Entender e manejar o estresse é fundamental para a harmonia do corpo.”  – comenta o Dr. Daniel Benitticirurgião vascular que atende em São PauloCampinas e remoto (on-line).

Lidando com o estresse

A melhor maneira de lidar com o estresse é dormir pelo menos sete horas por dia, comer uma dieta predominantemente baseada em vegetais, exercitar-se regularmente, meditar e permanecer socialmente conectada. Se você está praticando todos esses hábitos saudáveis, isso a ajudará a se tornar mais resiliente e mais capaz de se adaptar às situações desafiadoras da vida.

Outra coisa que ajuda: reprimir a resposta ao estresse do corpo sempre que você se sentir estressada. Tente qualquer uma dessas dicas para alívio imediato:

Faça um exercício de relaxamento.

Atividade física para a mulher com Lipedema.

A resposta de relaxamento (o oposto da resposta ao estresse) diminui a respiração, reduz a frequência cardíaca e reduz os hormônios do estresse. Para provocar esse estado, recomenda-se um exercício básico de respiração, como fazer 10 inspirações e expirações muito lentas. Inspire durante cinco segundos, prenda o ar durante cinco segundos e solte o ar durante cinco segundos.

Como alternativa, você pode tentar um exercício de imaginação: Imagine estar em seu local de férias favorito, talvez na praia ou na natureza. Imagine todas as sensações que você experimentaria lá, como a visão e o som das ondas, o cheiro do mar e a brisa batendo na sua pele. Segure esta imagem por alguns minutos e observe o efeito relaxante.

Alongue seus músculos.

Pilates e Yoga são excelentes tipos de práticas para esse tratamento.

Seus músculos ficam tensos sob estresse. Alivie essa tensão alongando-se. Sentada ou em pé, inspire, levante os braços acima da cabeça, entrelace os dedos, estique, solte os dedos e expire ao abaixar os braços para cada lado. Repita três vezes.

Faça uma pausa de atenção plena.

Estar atenta ajuda a provocar a resposta de relaxamento, trazendo você para o momento presente.

Isso pode quebrar um ciclo de pensamentos estressantes. É como um exercício de imaginação em tempo real: você observa todos os seus sentidos enquanto faz algo relaxante. Pode ser tomar uma xícara de chá, se possível camomila, e perceber o calor em suas mãos, o cheiro do chá e a sensação de descer pela garganta. Ou pode ser tomar um banho consciente ou um passeio tranquilo e atento pela natureza.”

Faça uma caminhada rápida.

Fazer 150 minutos por semana de exercícios de intensidade moderada, como caminhada rápida, é importante para todos os aspectos da saúde, incluindo o controle do estresse.

Mesmo uma caminhada rápida de 11 minutos quando você está se sentindo estressada pode ajudar a “baixar” os hormônios do estresse, combater a tensão muscular e liberar os elementos químicos do bem-estar do corpo, que promovem o relaxamento. Se a artrite ou outra condição dificultar a caminhada, pergunte ao seu médico sobre outros exercícios aeróbicos que você pode fazer.

Use o sorriso.

O riso tem sido referido como ‘corrida interna’ e pode fornecer uma fonte de cura.

Reduz os hormônios do estresse e se torna uma expressão de alegria, otimismo e esperança. Assista a um filme ou programa de TV que te faça rir. Você ainda ganhará como brinde uma aceleração do fluxo linfático.

Reduza o ruído alto em seu ambiente.

O ruído alto desencadeia a resposta ao estresse

Lembre-se que todo filme de guerra tocam tambores para guerrear. Isso torna difícil pensar e tira você da atenção. Se o barulho alto é inevitável, talvez porque vem de vizinhos, trânsito ou alguém em sua casa ou escritório, tente usar tampões de ouvido ou fones de ouvido com cancelamento de ruído.

Toque uma música suave.

Ao contrário do barulho alto, a música agradável pode ajudar a provocar a resposta de relaxamento.

A música também ajuda a aumentar as conexões cerebrais. A musicoterapia pode ser muito poderosa para a cura e é usada em ambientes médicos para tudo, desde o tratamento do câncer até a recuperação do COVID-19. Mas você precisa estar presente e engajada nos sons que está ouvindo. Se sua mente está vagando para um lugar estressante, a música não vai ajudar.

Contrariar pensamentos negativos.

Pensamentos positivos ajudam a impulsionar emoções positivas.

Encontre três coisas positivas para um pensamento negativo ou estressante. Conte suas bênçãos, como um lugar seguro para morar, uma boa refeição e frescor para sua casa neste calor.

Use uma conversa interna positiva.

Quando você é autocrítica, isso ativa automaticamente a resposta ao estresse. Se você se elogiar e apoiar, isso ajuda a reduzir o estresse. Palavras para usar: “Você pode fazer isso. Você é inteligente e forte e já fez coisas maiores antes. Mesmo que as coisas não saiam do seu jeito, você está fazendo o melhor que pode.”

Pergunte se realmente vale a pena.

Tente colocar as coisas em perspectiva perguntando se a causa do seu estresse será importante daqui a um ano ou se vale a pena os problemas de saúde que que você terá em decorrência disso. Assim que você percebe que algo pode não ser tão importante quanto você pensava, isso amortece o estresse.

Solicite ajuda.

Todos queremos e gostamos de ser independentes, mas não há problema em pedir a ajuda a uma pessoa, membro da família ou qualquer um que simplesmente ouça suas preocupações ou a ajude com atividades, como fazer compras, levantar algo pesado, pagar uma conta. Aliviar um fardo, físico ou mental, ajudará a reduzir o estresse.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

Importância do café da manhã.

Por que eu preciso comer um bom café da manhã?

Importância do café da manhã.

O que comer no café da manhã?

 

Se você é o tipo de pessoa que acorda sem fome e sai correndo para trabalhar ou levar os filhos para a escola e não come nada pela manhã, este texto é para você! O café da manhã é a principal refeição do dia. Você que segue o blog já viu diferentes e diversos textos sobre este assunto. Nada mudou. O café da manhã continua sendo a principal refeição do dia, mas ainda têm pessoas que pulam ou não fazem essa refeição de forma adequada.

Confira os benefícios de tomar café da manhã:

Com base em estudos observacionais, estes são os principais motivos para tomar café da manhã poucas horas depois de acordar:

1 Abastecer o seu tanque

Tomar o café da manhã fornece energia para o seu dia e ajuda o seu corpo a ter o melhor desempenho. Não tem como começar o dia sem energia. Se você não abastecer o corpo ele vai fazer de tudo para não gastar energia e queimar as suas reservas.

2 Melhorar a saúde do coração

A manhã é quando o seu corpo é mais sensível à insulina e usa o açúcar no sangue de forma mais eficaz. Portanto, é um ótimo momento para escolher carboidratos cheios de fibras que o ajudarão a obter 25 gramas ou mais de fibra alimentar por dia para ajudar a reduzir o colesterol, melhorar o intestino e aumentar o metabolismo da gordura.

3 Reduzir o risco de diabetes

Um estudo observacional descobriu que pessoas que pularam o café da manhã de quatro a cinco dias por semana tiveram um risco 55% maior de diabetes tipo 2.

No entanto, é importante estar atenta ao que você irá comer. Cereais açucarados ou pratos tradicionais de café da manhã, como rosquinhas, muffins, waffles, panquecas e bolos, podem ser ricos em açúcar, amido ou gordura.

4 Reduzir o nevoeiro cerebral

O seu cérebro precisa de combustível para funcionar. O café da manhã pode ajudá-la a ficar mais alerta, focada e feliz. Só não exagere no café, duas xícaras está ótimo.

Crianças e o café da manhã

Importância do café da manhã para as crianças.

É particularmente importante que as crianças alimentem as suas mentes no café da manhã. Estudos mostram que crianças que comem de manhã são mais capazes de prestar atenção na escola, resultando em um melhor desempenho acadêmico.

Café da manhã e massa magra

“Um estudo publicado no JAMA em 2020 evidenciou que as pessoas que fizeram jejum intermitente pulando o café da manhã após um ano perderam 10% da massa magra, ou seja, massa muscular. O café da manhã nunca deve ser pulado. O resultado disso no longo prazo é uma queda no metabolismo. Se a pessoa quiser pular uma refeição, esta refeição deve ser o jantar. Infelizmente a maioria das pessoas faz o oposto. Come muito no jantar e quase nada no café da manhã”, alerta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular que atende em São Paulo, Campinas e a distância (on-line).

LEIA TAMBÉM: Jejum intermitente: quais os efeitos na saúde, envelhecimento e doenças crônicas?

A que horas você deve tomar o café da manhã?

Que horas devo tomar café da manhã?

O termo “café da manhã” significa quebrar o jejum. E, em algum momento do nosso dia, todos nós fazemos isso, seja às 7 da manhã ou ao meio-dia. Idealmente, a recomendação é colocar um pouco de comida na barriga dentro de duas horas após se levantar para o dia.

Encontrar esse tempo para comer, no entanto, parece ser um problema para alguns. Quase 25% das pessoas que pulam o café da manhã dizem que simplesmente não conseguem encaixar a refeição em sua programação matinal.

Se as suas manhãs são agitadas, planeje com antecedência para poder pegar e levar, ou acorde mais cedo e logicamente durma mais cedo. Deixe a mesa pronta antes de deitar.

Começar o seu dia com uma refeição rica em proteínas pode mantê-la satisfeita por mais tempo e ajudá-la a evitar lanches e petiscos, o que pode ajudar a evitar quilos indesejados.

Alimentos saudáveis para comer no café da manhã

Para evitar que os seus olhos fiquem semicerrados às 10 da manhã, escolha alimentos integrais e pule alimentos processados que tenham açúcar extra. Comer uma variedade de alimentos nutritivos pode ajudá-la a se sentir mais satisfeita por mais tempo e levá-la até o almoço bem disposta.

Iogurte grego e queijo cottage

Iogurte no café da manhã.

Esta combinação de proteína e gordura pode lhe dar uma sensação de saciedade que dura um pouco mais. Você pode misturar frutas, nozes ou cereais integrais. Algumas pessoas até gostam de espalhar queijo cottage na torrada. Cottage, não ricota!

Manteiga de amendoim e grãos

Pasta de amendoim no café da manhã.

A gordura e a proteína saudáveis da manteiga de amendoim combinam bem com uma fatia de torrada rica em fibras Se você tem alergia ao amendoim, o abacate é outra cobertura saborosa para torradas.

Aveia

Aveia no café da manhã.

Combine-a com frutas e nozes ou linhaça. A aveia leva apenas 3 minutos no micro-ondas, então não precisa ser demorado.

Se você é uma pessoa que planeja com antecedência, experimente preparar a aveia durante a noite. Este café da manhã pré-fabricado apresenta aveia embebida durante a noite em água, leite ou iogurte.

Omeletes

Omelete no café da manhã.

Quer tirar as sobras de legumes da noite passada da geladeira? Uma omelete é uma excelente opção nutritiva e vai acabar com o desperdício.

Faça uma mistura de ovo ou tofu com vegetais usando os produtos do mercado.

Quer outra opção? Coloque o ovo ou tofu mexido em um envoltório de grãos integrais e adicione feijão, salsa e uma pitada de queijo. Você pode fazer com antecedência e colocá-los no microondas ou comê-los gelados.

Shake de café da manhã

Vitamina no café da manhã.

Se comer um bom café da manhã ainda é difícil, experimente beber. Um “Ultra Shake” pode ser uma refeição matinal ultra-nutritiva.

Para crianças ou adultos que não estão com fome, uma bebida pode ser uma opção melhor. Um copo de leite A2A2 com um pedaço de fruta ao lado ou um shake de substituição de refeição com baixo teor de açúcar pode ajudar.

LEIA TAMBÉM: Pular o café da manhã aumenta o risco de doença cardiovascular

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Imagem corporal da mulher com Lipedema.

Imagem corporal: um assunto extremamente importante para as mulheres com Lipedema

Imagem corporal da mulher com Lipedema.

A percepção errônea da imagem corporal é comum na população em geral, no Lipedema ainda mais.

 

A imagem corporal é a imagem subjetiva dos indivíduos de seu próprio corpo, independentemente de como o seu corpo realmente se parece. A imagem corporal é um construto complexo que compreende pensamentos, sentimentos, avaliações e comportamentos relacionados ao próprio corpo.

A percepção errônea da imagem corporal é comum na população em geral, no Lipedema ainda mais, e também é um componente central de várias doenças graves, incluindo transtorno dismórfico corporal, anorexia nervosa e bulimia nervosa. Distorções na imagem corporal são desagradáveis e podem ter resultados trágicos. A má imagem corporal pode afetar a saúde física e psicológica e pode influenciar a autoestima, humor, competência, funcionamento social e funcionamento ocupacional. A compreensão das distorções neurotípicas na cognição saudável e distorções perceptivas em condições clínicas é essencial para abordar as preocupações com a imagem corporal e permitir que os indivíduos em sofrimento tenham uma vida mais feliz e produtiva.

“O conceito de imagem corporal é muito importante para as mulheres com Lipedema. Embora tenham os rostos mais bonitos, a melhor proporção cintura/quadril e a pele mais macia, praticamente todas estão insatisfeitas com o próprio corpo. A imagem corporal é um dos componentes da identidade pessoal, é a figura que se tem em suas medidas antropométricas, contornos e formas do corpo; e também os sentimentos correlacionados a esses fatores que afetam a satisfação com o corpo ou partes específicas do corpo. De fato, a imagem corporal representa como pensamos, sentimos, percebemos e nos comportamos em relação aos nossos corpos”, esclarece o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (on-line).

LEIA TAMBÉM: Quase metade das mulheres com Lipedema têm ou teve algum distúrbio alimentar

A imagem corporal é um conceito multidimensional. A sua complexidade pode ser apreciada observando os seus componentes, que se aplicam a pessoas com percepções saudáveis e não saudáveis de seus corpos e incluem:

  • Cognitivo: pensamentos e crenças sobre o corpo.
  • Perceptivo: como as pessoas percebem o tamanho e a forma de seu corpo e partes do corpo.
  • Afetivo: sentimentos sobre o corpo.
  • Comportamental: as ações que as pessoas realizam para verificar, cuidar, alterar ou esconder seu corpo.

A distorção da imagem corporal é um sintoma multidimensional, compreendendo vários componentes da imagem corporal. Os componentes mais amplamente aceitos são o cognitivo, o perceptivo e o afetivo. O componente cognitivo é de pensamentos e crenças sobre a forma e aparência do corpo e a representação mental do corpo. O componente perceptivo envolve a identificação e estimativa do corpo e indica a acurácia da avaliação dos indivíduos de seu tamanho, forma e peso corporal em relação às suas proporções reais. Por fim, o componente afetivo inclui os sentimentos que os indivíduos desenvolvem em relação ao seu corpo e a satisfação ou insatisfação dos indivíduos em relação ao seu corpo.

Assim, a perturbação da imagem corporal pode se manifestar como perturbação da percepção (ou seja, distorção) e do conceito (ou seja, insatisfação corporal). Perturbação perceptiva envolve a falha em avaliar o tamanho do corpo com precisão. A insatisfação corporal inclui a percepção atitudinal ou afetiva do próprio corpo e sentimentos e cognições negativas. Acredita-se que os distúrbios da imagem corporal também se manifestem em um nível comportamental, como evitar o corpo, checar o corpo ou fazer dieta restritiva.

A imagem corporal negativa característicamente demonstra uma insatisfação do corpo ou de partes dele, preocupação com a aparência e envolvimento em comportamentos como checagem frequente no espelho, auto pesagem ou evitação de situações públicas. A imagem corporal negativa geralmente é medida como insatisfação corporal, que é, por sua vez, atribuída a uma discrepância entre a percepção da imagem corporal e sua imagem idealizada.

Desenvolvimento da imagem corporal

Imagem corporal Lipedema.

A socialização primária ocorre cedo na vida e supõe-se que um senso de auto-reconhecimento se desenvolva aos dois anos de idade. As crianças nos primeiros anos tornam-se conscientes de seu gênero. Eles também descobrem normas sociais, como competitividade e atletismo para homens (pernas fortes, músculos, braços grandes) e beleza ou pequenez para mulheres (cabelos brilhantes, pele perfeita, cintura fina, sem quadris). Quando as crianças tomam consciência de sua aparência corporal, elas tentam manipular os pais para receber admiração e aprovação. Essa necessidade de aprovação cresce ao entrar na escola, demonstrando uma necessidade de aceitação social. 

“A imagem corporal é um comportamento aprendido. À medida que as crianças crescem e se socializam, elas começam a se comparar com outras crianças, especialmente em relação à aparência (por exemplo, crianças pequenas desejam ser maiores). Aos 6 anos, a forma do corpo torna-se uma consideração cada vez mais proeminente (especialmente músculo e peso). Existem relatos que entre escolares de 6 a 12 anos, 40-50% demonstraram insatisfação com alguma parte do tamanho ou forma do corpo. Precisamos conversar sobre isso desde cedo para não virar um distúrbio na idade adulta. Corpo bonito é aquele que você tem. Não aquilo que tentam vender para você”, alerta o Dr. Daniel Benitti. 

A adolescência indica a transição da infância para a vida adulta e está associada a mudanças físicas e sociais. Este é um período crítico no desenvolvimento da imagem corporal. A imagem corporal em adolescentes também está sob influência dos pais. A relação pais-adolescente tem um impacto significativo no desenvolvimento da insatisfação corporal dos adolescentes. Os pais enviam mensagens e mensagens socioculturais ou críticas sobre os ideais de aparência corporal para seus filhos. Quando os indivíduos se sentem seguros em relação aos seus relacionamentos, ficam mais satisfeitos com o corpo e menos propensos a pensar de forma a aderir aos ideais de aparência para receber a aceitação dos outros.

Pesquisas têm mostrado que adolescentes com melhores relações pais-adolescentes são menos propensos a experimentar insatisfação corporal. Embora nas crianças mais novas a influência das famílias no desenvolvimento da imagem corporal seja mais significativa do que a dos amigos. O papel dos pais diminui à medida que as crianças crescem e as respostas dos pares tornam-se mais importantes do que as famílias.

A imagem corporal em pessoas de 14 a 27 anos é muito afetada por seus pares. Um evento crítico ou uma série de eventos, como provocação e rejeição, pode levar a uma percepção errônea da imagem corporal. Estudos descobriram que, quanto mais frequentes forem as provocações sobre o tamanho e o peso do corpo durante o crescimento, maior a probabilidade de sofrer distorção da imagem corporal e insatisfação corporal durante a idade adulta.

Vamos divulgar esta informação!

LEIA TAMBÉM: Qual o melhor tratamento para Lipedema?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Alimentação para Lipedema

Comer bem reduz o risco de todas as doenças crônicas, inclusive o Lipedema

Alimentação para Lipedema

 

Se você tem um histórico familiar de doença cardiovascular, provavelmente você sabe que manter uma dieta saudável pode reduzir o risco. Mas, você sabia que focar em combinações de alimentos avaliados por sua capacidade de combater doenças pode ajudar a diminuir os riscos de muitas doenças crônicas, incluindo câncer, diabetes e artrite, inclusive o Lipedema?

O Índice de Alimentação Saudável Alternativa (AHEI) atribui classificações a alimentos e nutrientes preditivos de doenças crônicas. Os pesquisadores de Harvard criaram o AHEI como uma alternativa ao Índice de Alimentação Saudável do Departamento de Agricultura dos EUA, que mede a adesão às Diretrizes Dietéticas federais para os americanos.

O AHEI classifica a sua dieta atribuindo uma pontuação que varia de 0 (não adesão) a 110 (aderência perfeita), com base na frequência com que você come certos alimentos, tanto saudáveis, quanto não saudáveis.

Por exemplo, alguém que relata não comer vegetais diariamente receberia nota zero, enquanto alguém que comia cinco ou mais porções por dia ganharia 10. Para uma opção não saudável, como bebidas adoçadas com açúcar ou suco de frutas, a pontuação é inversa: a pessoa que come uma ou mais porções pontuaria zero e zero porções receberia 10.

Pesquisas associam altas pontuações no AHEI a um menor risco de doença crônica. 

“Um estudo publicado em 2012 no Journal of Nutrition, que incluiu 71.495 mulheres e 41.029 homens, descobriu que as pessoas que pontuaram mais alto no AHEI tinham um risco 19% menor de doença crônica, incluindo um risco 31% menor de doença cardíaca coronária e 33 % menor risco de diabetes, quando comparado a pessoas com baixos escores de AHEI. Outro estudo no American Journal of Clinical Nutrition descobriu que entre 7.319 participantes, aqueles que obtiveram pontuações altas no AHEI tiveram um risco 25% menor de morrer por qualquer causa e um risco mais de 40% menor de morrer de doença cardiovascular do que os escores baixos de AHEI”, indica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (on-line). 

Pesquisas separadas em homens mais velhos e mulheres mais velhas mostraram que aqueles que pontuam mais alto no AHEI têm melhor desempenho em atividades como subir escadas, levantar mantimentos, caminhar um quilômetro e meio e se envolver em atividades moderadas ou vigorosas do que aqueles com pontuação mais baixa.

Um estudo global observou grandes variações entre os países na qualidade da dieta e previu que melhorar as dietas atuais poderia prevenir milhões de mortes por câncer, doença arterial coronariana, acidente vascular cerebral, doenças respiratórias, doenças renais, diabetes e doenças digestivas.

LEIA TAMBÉM: Como conviver com uma doença crônica?

Mas, como posso usar o AHEI?

Não é prático usar o sistema de pontuação AHEI real, mas você pode facilmente incorporar mais alimentos saudáveis do AHEI em sua dieta. Algumas das principais opções incluem:

Vegetais

vegetais

Planeje comer cinco por dia e concentre-se em porções extras de vegetais de folhas verdes, o que pode ajudar a reduzir o risco de diabetes. Fuja das batatas fritas.

Frutas

Frutas

Tente comer quatro porções por dia, uma quantidade que pode ajudar a proteger contra doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. Evite suco de frutas, porque beber demais pode aumentar o risco de diabetes.

Grãos integrais

Grãos vegetais

Comer de cinco a seis porções por dia pode ajudar a evitar doenças cardiovasculares, diabetes e câncer colorretal. Minimize grãos refinados, que estão associados a um risco maior de diabetes, doenças cardiovasculares e potencialmente outras doenças crônicas.

Nozes, legumes e proteína vegetal (tofu)

Nozes

Obter uma porção por dia de proteína dessas fontes é uma maneira saudável de adicionar nutrientes à sua dieta e pode ajudar a proteger contra diabetes e doenças cardiovasculares.

Peixe

peixe

Adicionar peixe ao seu plano semanal de refeições pode dar ao seu corpo uma dose de ácidos graxos saudáveis, o que pode ajudar a reduzir o risco de doenças cardiovasculares e potencialmente diabetes.

Gorduras saudáveis

Azeite - gordura saudável

Adicionar gorduras insaturadas saudáveis à sua dieta ajuda a reduzir o risco de doenças cardiovasculares e diabetes. Uma boa opção é o azeite de oliva. Essas gorduras saudáveis são particularmente benéficas se você as trocar por gorduras saturadas, como manteiga.

LEIA TAMBÉM: Jejum intermitente: quais os efeitos na saúde, envelhecimento e doenças crônicas?

LEIA TAMBÉM: 5 alimentos que causam muita inflamação no seu corpo

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Benefícios da telemedicina para o tratamento do Lipedema.

Os benefícios da telemedicina no tratamento do Lipedema

Benefícios da telemedicina para o tratamento do Lipedema.

O número de atendimentos por telemedicina vem aumentando gradativamente.

 

Durante a pandemia de Covid-19, a telemedicina teve avanços significativos, não só em termos de legislação, com a liberação de algumas práticas até então não regulamentadas, como a teleconsulta, mas também em relação à aceitação da população e da própria classe médica.

Com a aprovação da Lei nº 13.989/2020, o número de atendimentos por telemedicina vem aumentando gradativamente, garantindo e ampliando o acesso à assistência à saúde em todo o país, principal benefício que a telemedicina traz aos sistemas de saúde.

Dados levantados pela Saúde Digital Brasil (Associação Brasileira de Empresas de Telemedicina e Saúde Digital), que representa os principais operadores de telemedicina do Brasil, mostram, não só crescimento exponencial de pacientes atendidos por intermédio de tecnologias de informação e comunicação, como o de vidas salvas e de pacientes satisfeitos e com seus problemas resolvidos.

Entre 2020 e 2021, mais de 7,5 milhões de atendimentos foram realizados, por mais de 52,2 mil médicos, via telemedicina no Brasil. 87% deles foram das chamadas primeiras consultas, evitando as famosas idas desnecessárias e permitindo identificar através de exames a necessidade de um atendimento em uma unidade hospitalar.

Em relação à faixa etária, 84% dos pacientes tinham entre 16 e 65 anos; 8%, 65 anos ou mais e 7% eram menores de 16 anos.

Lipedema

Telemedicina Lipedema.

A telemedicina permitiu que muitas pacientes com Lipedema pudessem ser atendidas pelo Dr. Daniel Benitti. Um tratamento especializado faz toda a diferença na compreensão e evolução da doença. Infelizmente ainda temos poucos especialistas em Lipedema, embora 12,6% das mulheres brasileiras tenham Lipedema.

Foram atendidas neste período mulheres com Lipedema de todas as regiões do Brasil e literalmente de todos os continentes. A distância e a língua deixaram de ser uma dificuldade. A telemedicina é um caminho sem volta e fazer parte desta revolução e da possibilidade de tratar mulheres que dificilmente encontrariam alguém com conhecimento da sua patologia é algo indescritível. 

O Lipedema tem tratamento e a compreensão e individualização da paciente permitem uma evolução positiva com melhora da dor e qualidade de vida.

O Lipedema não se restringe à gordura na perna. A doença é complexa com diversas singularidades. 

No entanto, muitas pacientes gostam de fazer uma visita presencial ao médico, de sentir o calor do contato humano. Algo além do verbal. Uma mistura de linguagem corporal, corrida de emoções, proximidade física e toque. Muitas vezes uma consulta médica presencial passa uma sensação de paz para a paciente que nunca será sentida ou transmitida à distância. Algo impossível de explicar, mas fácil de sentir na prática.

LEIA TAMBÉM: Qual o melhor tratamento para Lipedema?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Atividade física para a mulher com Lipedema.

Quanto de atividade física preciso praticar por dia?

Atividade física para a mulher com Lipedema.

Nem todo mundo que faz atividade física é saudável, mas para você ser saudável é fundamental fazer atividade física.

 

Infelizmente, a pandemia continua causando estragos em nossas vidas diárias. Todos nós fomos impactados de alguma forma. O estresse aumentou e você precisa de um tratamento que vai ajudar a controlá-lo, evitar o ganho de peso e manter a sua saúde mental. O melhor remédio para isso é: atividade física!

Você já deve ter tentado iniciar mais de uma vez e parou nos primeiros 3 meses, ou dias. Mas, é possível fazer o exercício funcionar para você. É imperativo encontrar o seu “treino perfeito” ou atividades simples que você possa fazer. Você pode pensar que só tem uma atividade boa ou precisa estar em forma para se exercitar. Isso simplesmente não é verdade, nem é útil para a sua saúde e bem-estar, pois o exercício, mesmo em pequenas quantidades, ajuda a melhorar a pressão arterial, problemas cardíacos, controle de açúcar no sangue e humor. Além disso, também pode ajudá-la a viver mais.

LEIA TAMBÉM: 80% das pessoas não fazem atividade física o suficiente

Quanto tempo de exercício eu preciso fazer?

Antes de começar a contar os minutos, entenda o seguinte: quase tudo que faz seu corpo se mexer conta como exercício e os minutos ativos somam-se ao longo do dia e da semana.

Toda semana, os adultos devem fazer pelo menos 150 minutos de atividade física moderada ou 75 minutos de atividade física vigorosa. Então, dependendo da intensidade do exercício, isso pode ser de 30 minutos (moderado) – ou apenas 15 minutos (vigoroso) – cinco dias por semana. Os especialistas também recomendam atividades de fortalecimento muscular pelo menos duas vezes por semana. Mas, mesmo que você não consiga atingir esses objetivos, alguma atividade é sempre melhor do que nenhuma. Apenas tentar se movimentar mais e sentar-se menos, ajudará. Se você fizer apenas 11 minutos de atividade física diária já terá algum benefício!

Agora, vamos destrinchar isso um pouco mais.

O que é atividade física moderada?

Hidroginástica, atividade física moderada.

A atividade moderada aumenta a frequência cardíaca, faz você suar e permite que você fale, mas não cante. Abaixo estão alguns exemplos:

  • Andar em ritmo acelerado
  • Hidroginástica
  • Andar de bicicleta em terreno plano
  • Dança casual

O que é atividade física vigorosa?

Corrida, atividade física vigorosa.

A atividade vigorosa causa um grande aumento na frequência cardíaca, você respira com muita dificuldade e só consegue dizer algumas palavras, não frases completas. Abaixo estão alguns exemplos:

  • Correr
  • Jogar esporte de quadra
  • Natação
  • Andar de bicicleta rápido ou em trilhas

Mas, e se eu estiver com sobrepeso ou dores nas articulações?

Dores nas articulações, atividade física.

Existem várias atividades que são ótimas para pessoas de todas as idades e tamanhos. Abaixo estão algumas:

  • Vídeos e exercícios aeróbicos de caminhada disponíveis na TV, cabo ou através de serviços de streaming 
  • Elíptico
  • Bicicleta ergométrica
  • Hidroginástica

Essas atividades são econômicas ou gratuitas e fáceis de fazer. Você sempre pode aumentar ou diminuir a intensidade conforme for capaz.

Então, como eu começo?

“Eu sempre digo: comece. Muitas pessoas querem um plano de exercícios, mas ela precisa começar a fazer algo para poder identificar o que gosta de fazer. Eu recomendo atividade física na água para as mulheres com Lipedema, mas nem todas gostam. Por isso, é importante começar algo e ouvir o corpo.  Se você não pratica exercícios regularmente, recomendo começar a se exercitar em intervalos de 10 minutos. Eventualmente, você pode construir sessões mais longas à medida que se acostumar com o exercício. O objetivo é ser consistente e fazer do exercício uma parte da sua vida. Uma análise recente identificou que apenas 11 minutos de exercícios moderados a vigorosos por dia, combinados com menos de 8,5 horas de tempo sedentário diário, reduzem o risco de morrer prematuramente. Apenas 11 minutos, além do compromisso de se movimentar mais e sentar-se menos ao longo do dia! Todos podem fazer isso acontecer”, indica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Nem todo mundo que faz atividade física é saudável, mas para você ser saudável é fundamental fazer atividade física.

Você consegue. Acredite e surpreenda-se!

LEIA TAMBÉM: Quais os melhores exercícios para quem tem Lipedema?

LEIA TAMBÉM: Você já ouviu o termo HIIT? Sabia que é uma ótima opção para quem tem Lipedema?

LEIA TAMBÉM: Atividade física para o assoalho pélvico: saiba a importância, principalmente se você tem Lipedema

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Perda de peso para a mulher com Lipedema.

Como preparar o seu cérebro para a perda de peso

Perda de peso para a mulher com Lipedema.

Fazer dieta certamente é a principal promessa de ano novo, mas quando limitamos o quanto comemos, isso pode afetar o corpo de maneiras que não previmos.

 

Você iniciou o tratamento para o Lipedema e estava indo tudo bem, mas vieram as festas de final de ano e desandou tudo. De repente, você não consegue mais se concentrar porque está gastando toda a sua energia mental tentando evitar guloseimas tentadoras. Quando você finalmente cede, sente culpa, vergonha e baixa autoestima. Vem aquela sensação de fracasso. Combine esses sentimentos com a ideia de que, já que você estragou a sua dieta e o tratamento, é melhor comer mais antes de voltar a seguir a rotina saudável. Então, como você pode se livrar da culpa e redefinir o seu cérebro para fazer escolhas inteligentes?

LEIA TAMBÉM: Quase metade das mulheres com Lipedema têm ou teve algum tipo de distúrbio alimentar

Fazer dieta certamente é a principal promessa de ano novo, mas quando limitamos o quanto comemos, isso pode afetar o corpo de maneiras que não previmos.

“Várias coisas acontecem em nossos corpos quando restringimos a ingestão de alimentos. 10-15% do metabolismo basal depende da ingesta alimentar. Sabemos que o nosso metabolismo fica mais lento e os hormônios que regulam os nossos sentimentos de fome e saciedade ficam fora de controle. Você acaba comendo demais, não porque é ruim ou fraca, mas porque o seu corpo está fazendo tudo o que pode para sair da fome autoimposta. É um mecanismo de defesa. De uma perspectiva evolutiva, nossos corpos estão mais ajustados para sobreviver em tempos de escassez alimentar e, por isso, se esforça para comer e armazenar”, explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Mesmo quando você não está ativamente em um plano de dieta, a sua mentalidade de dieta pode fazer com que você coma mais e ganhe peso. Você pode comer mais do que normalmente, antecipando que em breve estará de volta a uma dieta restritiva.

Vários estudos mostraram que a dieta restritiva, em última análise, leva ao ganho de peso, não à perda de peso. Mas, estudos também mostraram que a autoestima pode prever os resultados da dieta.

Quando você trabalha para reduzir a sua culpa e vergonha em relação à comida e melhor aceitação da imagem corporal, você tende a desenvolver melhores hábitos alimentares a longo prazo. Isso é muito importante nas mulheres com Lipedema, pois praticamente todas têm um sentimento de culpa muito grande.

Uma mentalidade de dieta também lhe diz que suas decisões alimentares refletem em seu valor como pessoa. Você está comendo alimentos “ruins”, então você deve ser uma pessoa ruim, fraca ou indigna. Isso pode perpetuar um ciclo de alimentação emocional que adiciona excesso de peso, reduz a autoestima e é difícil de terminar.

LEIA TAMBÉM: Por que você tem vontade de comer doces ou salgados?

Como começar?

Trabalhe para parar os pensamentos negativos em sua cabeça e adote essas dicas para incentivar uma melhor relação com a comida e uma alimentação saudável.

Não diga a si mesma que certos alimentos são “ruins”. 

Concentre-se em como um alimento faz o seu corpo se sentir, não se ele se encaixa na moda atual da dieta. Alimentos saudáveis nos dão mais energia e tendem a nos fazer sentir melhor. Alimentos ultraprocessados sobrecarregam muito o corpo, que tem de lidar de forma rápida com o alimento e isso deixa a pessoa com menos energia e disposição.

Não subtraia de sua alimentação. Adicione!

É mais importante adicionar do que restringir. A restrição tem o efeito oposto que queremos que tenha, então, se nos concentrarmos em adicionar alimentos que nos fazem sentir bem, como vegetais e frutas, que ajudam na digestão, grãos integrais e proteínas, que nos mantêm mais cheios, por mais tempo, acabamos esquecendo o que não estamos comendo. A restrição também nos leva a sentir muita fome mais tarde e a perder o autocontrole. Não restrinja como forma de compensar uma alimentação menos do que ideal. Isso apenas preparará o cenário para uma futura compensação.

Limite os seus pensamentos internos negativos

Quando vinculamos a nossa autoestima tão diretamente às nossas escolhas alimentares e combinamos isso com uma dieta restritiva, estamos nos preparando para falhar e nos sentirmos culpadas, o que, por sua vez, produz comportamentos excessivos e mais culpa. Anote as mudanças positivas que você está fazendo a cada dia (como beber mais água ou fazer caminhadas) em um diário e pare de usar as palavras “bom” e “ruim” para descrever as suas escolhas alimentares e você mesma.

Em última análise, o que funciona para a perda de peso a longo prazo são pequenas mudanças incrementais em seus padrões gerais de alimentação. E quanto menos você se concentrar em restringir e categorizar os alimentos e quanto mais você se concentrar em criar comportamentos saudáveis em torno de alimentos e atividade física, mais saudável será o seu corpo e a sua mente.

LEIA TAMBÉM: 4 dicas para reverter hábitos que prejudicam a sua alimentação

LEIA TAMBÉM: Alimentação anti-inflamatória para cada estação do ano

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail: