small-plastic-pieces-spoon_23-2148502805-jpg-740×493-

Plástico e Trombose

Image by Freepik

A durabilidade, versatilidade e acessibilidade dos plásticos, que os tornaram quase indispensáveis para os seres humanos, também levaram à poluição plástica generalizada e à persistência de microplásticos no ambiente. Os produtos plásticos descartados muitas vezes se desintegram em micro e nanoplásticos que poluem a atmosfera, a terra e a água. Os poluentes microplásticos são de dois tipos: microplásticos primários, produzidos para dispositivos médicos e cosméticos e com tamanho inferior a 5 mm, e microplásticos secundários, formados quando plásticos maiores se quebram devido à fragmentação química ou física.

Microplásticos foram detectados em vários animais, como organismos marinhos e humanos. Dentro do corpo humano, microplásticos foram recuperados do sangue, expectoração, fígado, coração, pulmões, testículos, endométrio, placenta, leite materno e líquido amniótico. Estudos também encontraram microplásticos em trombos ou coágulos sanguíneos. Dado que a formação de trombos tem factores de risco genéticos e ambientais, estes resultados sugerem que os microplásticos podem representar um elevado risco para a saúde vascular.

Em um recente estudo, os pesquisadores empregaram métodos multimodais, como cromatografia gasosa-espectrometria de massa, microscopia eletrônica de varredura e espectroscopia infravermelha direta a laser para analisar e quantificar os tipos de polímeros, concentrações de massa e propriedades físicas de microplásticos obtidos de trombos de três principais vasos sanguíneos – veias profundas, artérias coronárias e artérias intracranianas.

Indivíduos que necessitaram de trombectomia venosa ou arterial após sofrerem infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral isquêmico ou trombose venosa profunda foram incluídos no estudo se o trombo fosse coletado imediatamente após a cirurgia; não possuíam stents, ossos artificiais ou enxertos e nunca haviam utilizado agentes terapêuticos ou de diagnóstico contendo microplásticos. Informações sobre características demográficas, histórico médico, perfil lipídico e painel eletrolítico também foram coletadas de cada participante.

O estudo teve como alvo dez tipos de polímeros, que incluíam polietileno, poliestireno, cloreto de polivinila, policarbonato, polipropileno, poliamida 6 e mais quatro. Posteriormente, microscopia eletrônica de varredura e espectroscopia infravermelha direta a laser foram utilizadas para avaliar o tamanho, número e morfologia das partículas. Algumas amostras foram excluídas nesta etapa devido à insuficiência de amostras de trombos ou à incapacidade de distinguir o microplástico predominante, a poliamida 66, das proteínas naturais.

“As descobertas revelaram que microplásticos feitos de vários tipos de polímeros e com diferentes características físicas estavam presentes em concentrações de massa variadas em trombos que se formaram nas principais artérias e veias humanas. Os níveis microplásticos em trombos humanos têm uma correlação positiva com a gravidade dos acidentes vasculares cerebrais isquêmicos. O plástico se acumula no corpo e inflama ele como um todo. Provavelmente deve existir um acúmulo maior de plástico nas mulheres com lipedema inflamadas.”  – Comenta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Dos 30 trombos adquiridos de pacientes com infarto do miocárdio, trombose venosa profunda ou acidente vascular cerebral isquêmico, 24 (80%) continham microplásticos. A concentração média de microplásticos nos trombos de casos de infarto do miocárdio, trombose venosa profunda ou acidente vascular cerebral isquêmico foi de 141,80 μg/g, 69,62 μg/ge 61,75 μg/g, respectivamente.

Os principais polímeros identificados nos microplásticos recuperados dos trombos foram polietileno, cloreto de polivinila e poliamida 66. A espectroscopia infravermelha direta a laser também revelou que dos 15 tipos de microplásticos identificados, o polietileno foi o mais dominante, tendo um diâmetro de 35,6 micrômetros e constituindo 53,6 micrômetros.

Os níveis de dímero D, um dos biomarcadores de hipercoagulabilidade que indicam o risco aumentado de eventos trombóticos, foram significativamente maiores nos grupos em que foram detectados microplásticos nos trombos, em comparação com os grupos em que não foram detectados microplásticos. Isto sugeriu uma ligação direta entre as concentrações de microplásticos no corpo e o risco de eventos trombóticos.

No geral, o estudo descobriu que os trombos recuperados dos principais vasos sanguíneos de pacientes com infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral isquêmico ou trombose venosa profunda contêm concentrações significativas de microplásticos de vários tipos de polímeros e propriedades físicas. Além disso, o risco de eventos trombóticos e a gravidade da doença aumentam com o aumento dos níveis de microplásticos.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

sack-sorted-multicoloured-shredded-plastic-garbage-waste-recycling-factory_1268-23442-jpg-826×465-

Você sabe quanto de plástico você consome?

Microplásticos são partículas de polímero sintético que variam em tamanho de um micrômetro (μm) a cinco milímetros (mm). Eles são abundantes em todos os ambientes, incluindo ar, água, solo e cadeia alimentar.

Image by Freepik

Recentemente, microplásticos foram detectados em vários tecidos e órgãos humanos, incluindo pulmão, cólon, fígado, placenta, leite materno, testículos, sangue, urina e fezes.

Evidências emergentes indicam que a exposição a níveis elevados a microplásticos pode levar à inflamação e ao stress oxidativo, sendo que ambos são características importantes de muitas doenças crônicas não transmissíveis.

A endometriose é uma doença ginecológica crônica e inflamatória caracterizada pela presença de tecidos semelhantes ao endométrio fora do útero. Embora a etiologia exata da endometriose permaneça obscura, acredita-se geralmente que uma complexa interferência entre fatores genéticos, ambientais, hormonais e imunológicos esteja associada ao desenvolvimento desta condição.

Em um recente estudo, os cientistas avaliam a presença de microplásticos em amostras de urina coletadas de mulheres saudáveis e com endometriose. Para tanto, os pesquisadores caracterizaram as partículas microplásticas identificadas por meio de espectroscopia de interferômetro com transformada micro-Fourier (μFTIR) e microscopia eletrônica de varredura com espectroscopia de energia dispersiva de raios X (SEM-EDX).

Um total de 38 amostras de urina humana, que incluíram 19 amostras de mulheres saudáveis e 19 amostras de pacientes com endometriose, foram analisadas, juntamente com 15 amostras de água pré-filtrada, que serviram para procedimentos.

“A análise de amostras de urina de mulheres saudáveis levou à identificação de 23 partículas microplásticas constituídas por 22 tipos de polímeros em 17 amostras. Comparativamente, a análise de amostras de urina de pacientes com endometriose levou à identificação de 232 partículas microplásticas compostas por 16 tipos de polímeros em 12 amostras. Certamente vamos encontrar algo semelhante nas mulheres com lipedema que apresentam sintomas inflamatórios.” – Afirma o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Os níveis médios de partículas microplásticas em amostras de urina de mulheres saudáveis e de pacientes com endometriose foram de 2.575 e 4.710 partículas/litro, respectivamente.

Os tipos de polímeros mais abundantes presentes em amostras de mulheres saudáveis foram polietileno (PE), poliestireno (PS), resina e polipropileno. Nas amostras de pacientes com endometriose, o politetrafluoroetileno (PTFE) e o PE foram os tipos de polímeros mais abundantes.

“O PTFE é muito utilizado como antiaderente em panelas, famoso teflon. Infelizmente é muito comum nas casas brasileiras panelas com PTFE riscadas. Isso libera muito desse plástico nos alimentos. Estamos tendo uma contaminação enorme e muita gente nem imagina.” – Alerta o Dr.

O comprimento e a largura médios das partículas microplásticas detectadas em amostras de mulheres saudáveis foram 61,92 e 34,85 μm, respectivamente. Cerca de 66% e 30% das partículas eram fragmentos e filmes de cor transparente ou branca, respectivamente.

O comprimento e a largura médios das partículas microplásticas detectadas em amostras de pacientes com endometriose foram 119,01 e 79,09 μm, respectivamente. Cerca de 95% das partículas eram fragmentos, 4% eram filmes e menos de 1% eram fibras. Cerca de 96% das partículas eram transparentes ou brancas.

Partículas microplásticas foram identificadas em amostras de urina coletadas de indivíduos saudáveis e de pacientes com endometriose.

Um alto nível de fragmentos de PTFE foi detectado em amostras de urina de pacientes com endometriose. O PTFE, também conhecido como Teflon, é amplamente utilizado como revestimento antiaderente e lubrificante em utensílios de cozinha, interiores de automóveis e fio dental.

“O teflon usado em aplicações cirúrgicas pode causar granuloma de teflon, que é uma reação inflamatória de corpo estranho de células gigantes à exposição à fibra de PTFE. Além disso, a exposição no local de trabalho a partículas de PTFE tem sido associada a pequenas lesões granulomatosas centradas nas vias aéreas.” – Informa.

O PTFE pertence ao grupo de substâncias polifluoroalquílicas (PFAS) de contaminantes químicos conhecidos por causar supressão imunológica, disfunção da tireoide, doença hepática, desregulação lipídica e desregulação endócrina em humanos. A exposição de alto nível ao PFAS através da água potável tem sido associada a um risco aumentado de síndromes ovarianas, leiomioma uterino e infertilidade.

As partículas microplásticas maiores e de formato irregular identificadas em amostras de urina de pacientes com endometriose destacam a possibilidade de desenvolvimento de respostas inflamatórias e relacionadas ao estresse oxidativo, que podem impactar o desenvolvimento da endometriose.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

Image by Freepik

5 dicas para entrar em cetose

Image by Freepik

A cetose é um estado metabólico natural no qual o corpo queima principalmente a gordura armazenada, em vez da glicose, como combustível. As maneiras de fazer isso incluem reduzir a ingestão de carboidratos e fazer mais exercícios.

O corpo normalmente usa glicose ou açúcar como energia. Quando há falta de glicose, o corpo queima gordura para esse fim. Neste caso, ácidos chamados cetonas podem começar a acumular-se no sangue. O corpo também pode usar cetonas para obter energia, mas elas podem deixar o corpo através da urina.

A presença de cetonas no sangue e na urina indica que uma pessoa entrou em cetose. Algumas pessoas entram em cetose porque desejam perder gordura corporal. Na cetose, o corpo quebra seus estoques de gordura em vez de depender de carboidratos como a glicose para obter energia.

Alcançar a cetose pode ser um desafio. A rapidez com que uma pessoa pode entrar em cetose dependerá de muitos fatores, como planos alimentares e níveis de atividade. Para a maioria das pessoas, geralmente leva alguns dias para entrar em cetose. No entanto, para outros, pode levar uma semana ou mais para entrar em cetose.

Abaixo, descrevemos 5 maneiras de acelerar esse processo:

1. Reduzir significativamente a ingestão de carboidratos

A cetose ocorre quando a falta de carboidratos força o corpo a usar gordura, e não glicose, como fonte primária de energia.

Uma pessoa que deseja atingir a cetose deve reduzir o consumo de carboidratos para 50 gramas (g) ou menos por dia. No entanto, o limite exato de carboidratos pode variar de pessoa para pessoa.

“As mulheres com lipedema se beneficiam muito de uma alimentação low carb ou cetogênica. Quando elas entram em cetose elas conseguem reduzir de forma impressionante a quantidade de gordura corporal se estiverem desinflamadas.” – Indica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

2. Jejuar intermitente

O jejum intermitente pode ajudar uma pessoa a atingir um estado de cetose.

Em alguns casos controlados, um médico pode recomendar períodos de jejum de 24 a 48 horas, mas a maioria das pessoas não precisa jejuar tanto tempo para atingir a cetose.

O jejum intermitente pode ajudar no tratamento de diabetes e doenças cardiovasculares, além de proteger contra certos tipos de câncer e distúrbios neurológicos. Mas não deve ser visto como uma forma de perda de peso ou punição por uma refeição excessiva!

3. Controlar a ingestão de proteínas

Uma pessoa que segue a dieta cetônica normalmente ingere mais gordura do que proteína.

Embora as quantidades recomendadas de proteína variem, uma recomendação padrão é consumir cerca de 1 g de proteína para cada quilo de peso corporal por dia. Pessoas que praticam exercícios intensos podem precisar de 1,5 g/kg.

Alguns acreditam que é necessária uma menor ingestão de proteínas, embora as evidências sobre este ponto sejam contraditórias.

4. Aumentar a ingestão saudável de gordura

A maioria das pessoas que buscam a cetose devem trocar os carboidratos por gorduras saudáveis.

Algumas fontes incluem:

  • azeite
  • abacate e óleo de abacate
  • óleo de linhaça
  • nozes e oleaginosas
  • peixes gordurosos, como salmão selvagem

Embora algumas pessoas na dieta cetogênica adicionem qualquer gordura a uma refeição, normalmente é aconselhável limitar as gorduras saturadas e trans, como as dos alimentos fritos e embutidos.

5. Aumentar a atividade física

Quanto mais energia uma pessoa usa durante o dia, mais combustível ela precisa.

O exercício ajuda a reduzir as reservas corporais de uma forma de glicose chamada glicogênio. Normalmente, comer carboidratos restaura os níveis de glicogênio. Mas uma pessoa com uma dieta baixa em carboidratos não está repondo suficientemente seus estoques de glicogênio. Isso incentiva o corpo a recorrer à gordura como fonte de combustível.

O ajuste pode levar algum tempo e, durante esse período, a pessoa pode sentir fadiga.

6. Suplemento

Os triglicerídeos de cadeia média (MCTs), que uma pessoa pode comprar como óleo, podem ajudar na cetose.

Especificamente, o óleo MCT pode ajudar uma pessoa a atingir a cetose, mesmo quando ingere menos gordura e mais proteínas e carboidratos do que uma dieta cetônica normalmente contém.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

homemade-fruit-juice-food-photography_753066-3624-jpg-740×493-

Suco faz bem?

Beber suco 100% de frutas certamente parece uma escolha perfeita para sua saúde, mas isso não é necessariamente uma avaliação 100% precisa.

Image by Freepik

Claro, há aspectos positivos em beber suco de frutas, começando com uma lista impressionante de vitaminas e nutrientes que preenchem cada copo. Mas o suco 100% de fruta também contém açúcar suficiente para fazer comparações pouco lisonjeiras com o refrigerante.

O que é suco 100% de fruta?

Se o que você está bebendo é suco 100% de fruta, é basicamente um líquido que foi prensado, espremido ou extraído de outra forma da fruta. Dê uma olhada nos rótulos nutricionais dessas garrafas e você verá nomes de frutas familiares.

Bebidas com menor percentual de suco de fruta – 10%, por exemplo – trazem rotulagem diferenciada. Você os encontrará na prateleira com nomes como:

  • Coquetel de frutas.
  • Suco misto de frutas
  • Ponche de frutas.
  • Néctar de frutas.

Verifique a lista de ingredientes nessas garrafas e provavelmente você verá adoçantes adicionados, como xarope rico em frutose.

Beber suco de fruta é o mesmo que comer fruta inteira?

“A resposta é não. Alguns dos melhores benefícios das frutas desaparecem durante o processo de extração do suco. A maior perda está no teor de fibras, uma vantagem da fruta inteira que é ótima para o sistema digestivo. Frutas inteiras também proporcionam mais saciedade do que suco, além de diminuir a velocidade de absorção através das fibras. Além disso a quantidade de calorias que você ingere no suco é muito difícil ingerir comendo a fruta. Um copo de suco de uva por exemplo equivale a mais de 40 uvas! Tente comer 40 uvas!” – Explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

As frutas apresentam um açúcar natural o que gera o sabor doce. Ao fazer suco de frutas, você concentra esse açúcar em uma bebida extremamente saborosa.

Em média, são necessárias 4-5 laranjas para encher um copo de suco. Isso é muito líquido açucarado, o que pode causar um aumento imediato nos níveis de açúcar no sangue.

Um copo de suco de laranja ou uva, por exemplo, contém cerca de 23 gramas de açúcar – o que não está muito longe do limite diário de açúcar recomendado pela OMS que é de 25g por dia.

Portanto, um único copo de suco de laranja contém basicamente todo o açúcar que você deveria ingerir por dia!

Prefira comer a fruta inteira e fuja de bebidas mistas, nectar e afins.

O suco é uma maneira fácil de adicionar porções de frutas à sua dieta e não há nada de errado em saborear um copo. A chave é moderação. Apenas certifique-se de não exagerar.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Image by Freepik

Metformina e câncer

Image by Freepik

A metformina é uma terapia usada para tratar níveis elevados de açúcar no sangue em pessoas com diabetes tipo 2 que potencializa o efeito da insulina, reduz a quantidade de glicose liberada pelo fígado e ajuda o corpo a absorver a glicose. A metformina é uma das medicações mais prescritas no mundo.

Uma meta-análise de estudos anteriores relacionou a terapia com uma redução no risco de câncer gastrointestinal, de mama e urológico, enquanto um estudo retrospectivo nos EUA descobriu que os usuários de metformina têm um risco reduzido de câncer sólido e hematológico.

As neoplasias mieloproliferativas são um grupo de doenças que afetam a forma como a medula óssea produz células sanguíneas, resultando em uma superprodução de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos ou plaquetas que pode levar a problemas de sangramento, maior risco de acidente vascular cerebral ou ataque cardíaco e danos a órgãos.

No recente estudo os pesquisadores compararam o uso de metformina entre pacientes diagnosticados com neoplasias mieloproliferativas e uma população correspondente da população geral dinamarquesa entre 2010 e 2018. Dos 3.816 casos de neoplasias mieloproliferativas (NMP) identificados na amostra, um total de 268 (7,0%) indivíduos com NMP tomaram metformina em comparação para 8,2% (1.573 de 19.080) do grupo de controle de pessoas que tomaram metformina, mas não foram diagnosticadas com NMP. Apenas 1,1% dos casos de NMP tomaram metformina durante mais de cinco anos, em comparação com 2,0% dos controlos. O efeito protetor da metformina foi observado em todos os subtipos de NMP quando ajustado para potenciais fatores de confusão.

“A metformina têm uma ação anti-inflamatória provavelmente por modificar positivamente a microbiota intestinal. Esse é um dos motivos dela ser uma excelente medicação para as mulheres com lipedema. As neoplasias mieloproliferativas são doenças muito inflamatórias. Provavelmente esse é o motivo da metformina ser protetora. Os efeitos foram mais evidentes em quem tomava metformina por mais de 5 anos em comparação com quem tomava a menos de um ano.” – Informa o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Os investigadores observaram que, embora o efeito protetor do uso de metformina a longo prazo tenha sido observado em todos os subtipos de NMP, o estudo foi limitado pelo seu desenho retrospetivo baseado em registos. Além disso, não puderam levar em conta fatores de estilo de vida que podem afetar o risco de câncer, como tabagismo, obesidade e hábitos alimentares.

Pesquisas adicionais serão realizadas para entender melhor por que isso acontece. Seguindo em frente, os pesquisadores pretendem identificar quaisquer tendências semelhantes com síndromes mielodisplásicas e leucemia mieloide aguda em dados de nível populacional para estudos futuros.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

woman-talking-her-long-distance-lover

Vinho inflama?

A inflamação é crucial para a saúde, agindo de forma protetora em cenários agudos e prejudicialmente quando crônica, levando a doenças como artrite e diabetes.

Image by Freepik

A dieta mediterrânea, rica em alimentos vegetais, gorduras saudáveis e ingestão moderada de vinho, reduz efetivamente os marcadores inflamatórios em pessoas com alto risco cardiovascular.

Os polifenóis e ácidos graxos ômega-3 desta dieta ajudam a combater a inflamação associada a doenças crônicas. Apesar dos debates em curso, muitos estudos confirmam os benefícios anti-inflamatórios do vinho tinto atribuídos aos polifenóis.

O ácido tartárico urinário oferece uma medida mais objetiva do consumo de vinho do que questionários de frequência alimentar. Mais pesquisas são essenciais para compreender o impacto do vinho na inflamação e validar este biomarcador em diferentes grupos.

Um recente estudo usando dados iniciais e de um ano do estudo PREDIMED, um grande ensaio clínico, de grupos paralelos, multicêntrico, randomizado e controlado sobre a dieta do mediterrâneo.

O estudo foi realizado na Espanha, de outubro de 2003 a dezembro de 2010. Avaliou o impacto do MedDiet enriquecido com azeite ou nozes na incidência de doenças cardiovasculares (DCV), envolvendo 7.447 participantes com alto risco cardiovascular.

O recente estudo incluiu especificamente uma subamostra de 217 participantes dos centros de recrutamento Hospital Clinic of Barcelona e Navarra, examinando os seus biomarcadores inflamatórios e os níveis de ácido tartárico urinário.

O presente estudo analisou as características iniciais dos participantes do estudo PREDIMED, concentrando-se em seus perfis demográficos e de saúde relacionados às mudanças nas concentrações urinárias de ácido tartárico ao longo de um ano.

A idade média dos participantes foi de 68,8 anos, sendo a ligeira maioria do sexo feminino (52,1%). Os participantes foram distribuídos de forma semelhante nos três percentis em relação a sexo, idade e nível de atividade física.

A maioria dos participantes foi classificada com excesso de peso e foi observada elevada prevalência de fatores de risco cardiovasculares: 54,8% tinham diabetes, 63,6% tinham dislipidemia e 78,8% tinham hipertensão. A maioria não era tabagista (85,7%) e tinha baixa escolaridade (75,1%), estando essas características distribuídas uniformemente entre os percentis.

A adesão a dieta do mediterrâneo foi geralmente consistente entre os grupos, embora ligeiramente inferior no primeiro percentil, e o consumo de vinho foi notavelmente inferior no segundo percentil.

O estudo também revisou as mudanças na ingestão alimentar ao longo do ano, descobrindo que o consumo de alimentos e nutrientes permaneceu bem equilibrado em todos os percentis.

A relação entre o consumo de vinho e a excreção urinária de ácido tartárico foi analisada, ajustando-se para vários potenciais fatores de confusão, como idade, sexo, hábito de fumar, nível educacional, índice de massa corporal (IMC), atividade física, grupo de intervenção, tempo de análise, consumo de energia e consumo de uvas e passas.

Os resultados indicaram uma correlação clara: o maior consumo de vinho levou ao aumento da excreção de ácido tartárico, com um aumento ajustado de 0,39 μg/mg de creatinina por desvio padrão, altamente significativo a p < 0,001.

“O ácido tartárico é um composto orgânico das próprias uvas, que conforme a maturação da fruta vai diminuindo sua concentração. No processo de extração do mosto (suco) das uvas o ácido permanece retido no líquido e continua interagindo quimicamente com o produto proporcionando características organolépticas agradáveis ao vinho, realça o sabor e intensifica o brilho a bebida. Ele melhora a qualidade geral do vinho desde que esteja em quantidades ideias e aumenta o potencial de guarda dos vinhos. Com o passar dos anos, este ácido possui a tendência de se cristalizar e pode ficar como alguns cristais na rolha ou no fundo da garrafa. “ – Esclarece o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Foi avaliado o impacto do ácido tartárico urinário nos marcadores inflamatórios. Aumentos maiores no ácido tartárico foram associados a reduções significativas nas concentrações da molécula-1 de adesão de células vasculares solúveis (sVCAM-1).

O estudo também encontrou uma relação inversa entre aumentos no ácido tartárico e alterações no sVCAM-1 plasmático e na molécula de adesão intercelular-1 (sICAM-1) quando analisados por percentis.

Os participantes do segundo e terceiro percentis apresentaram concentrações significativamente mais baixas de sICAM-1 em comparação com o primeiro percentil, e padrões semelhantes foram observados para sVCAM-1, especialmente no terceiro percentil.

O estudo estabelece com sucesso o ácido tartárico urinário como um biomarcador para o consumo de vinho, fornecendo evidências claras de que a ingestão moderada de vinho, particularmente vinho tinto rico em polifenóis, está associada a reduções significativas nos principais marcadores inflamatórios.

Estas descobertas não só reforçam os potenciais benefícios para a saúde do consumo moderado de vinho na redução do risco cardiovascular, mas também destacam a importância de incluir tais compostos bioativos na dieta pelas suas propriedades anti-inflamatórias.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

portrait-delighted-joyful-young-european-female-taking-care-health-touching-belly-stomach-with-pleased-happy-smile-taking-vitamins-drinking-yoghurt

Probiotico ajuda a emagrecer?

Metade do mundo está pensando em fazer dieta neste momento e boa parte das pessoas já desistiu da promessa de início de ano.

Image by Freepik

O excesso de peso afeta todos os grupos socioeconômicos, idades, etnias e gêneros em todo o mundo. Nos últimos 40 anos não temos um país do mundo que não apresentou aumento do peso geral. A microbiota intestinal é essencial para a saúde geral, promovendo o metabolismo, a produção de vitaminas, neurotransmissores, o desenvolvimento do sistema imunológico e a colonização de patógenos.

A intervenção dietética pode modificar a variedade e abundância de espécies de microbiota no intestino humano, possivelmente tratando doenças relacionadas com bactérias intestinais, como a obesidade.

Um desequilíbrio na composição da microbiota intestinal pode levar ao excesso de peso e à obesidade, e alcançar uma condição microbiótica equilibrada pode ser um tratamento viável. A proporção Firmicutes para Bacteroidetes (F/B) é provavelmente um indicador de obesidade.

Em um recente estudo, os pesquisadores examinaram o impacto de uma dieta hipocalórica com fibras suficientes, atividade física e suplementos probióticos na saúde, no físico e na composição de mulheres egípcias obesas.

O estudo incluiu 58 mulheres egípcias obesas (idade média de 47 anos, IMC médio de 38 kg/m2) que seguiram um regime alimentar para redução de peso, que incluía uma dieta pobre em carboidratos, com fibras adequadas e proteínas adequadas, com consumo reduzido de calorias.

As participantes também receberam suplementos probióticos diários, como 100 g de iogurte contendo 108 cepas de Bifidobactérias e Lactobacillus acidophilus por grama, e foram orientados a praticar exercícios aeróbicos regularmente durante três meses.

As dietas eram ricas em feijão, grãos integrais, legumes, nozes, vegetais, frutas, laticínios com baixo teor de gordura, ovos, queijo cottage, carne, peixe e frango sem pele.

Eles calcularam o índice de massa corporal (IMC) e examinaram a composição corporal (massa gorda (MG), massa livre de gordura (MLG) e taxa metabólica basal.

Os pesquisadores coletaram amostras de sangue das participantes com leptina e ácidos graxos de cadeia curta (SCFA) e enzimas hepáticas como alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST). Também foram colhidas amostras fecais antes e depois da intervenção.

“A microbiota está envolvida no controle do equilíbrio energético, da fome e da saciedade por meio da sinalização peptídica intestinal, por meio de efeitos hormonais no sangue ou pela regulação direta do sistema nervoso. Esse estudo aumenta ainda mais a evidência da necessidade de equilibrar diversos pilares para ter uma perda de peso adequada e sustentável. Não é apenas cortar caloria. É necessário um plano terapêutico e lembrar da importância da ingestão adequada de proteínas e possivelmente de um programa de exercícios resistidos para manter a massa muscular durante a perda de peso. Isso é ainda mais importante para as mulheres com lipedema.” – Informa o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Os pesquisadores encontraram melhorias estatisticamente significativas na antropometria, características de composição corporal, adiposidade central, percentual de gordura e marcadores biológicos associados à obesidade (AST, ALT e leptina) após acompanhamento, pois estavam diminuídos.

A intervenção aumentou dramaticamente a abundância relativa de Lactobacillus, Bifidobacteria e Bacteroidetes, ao mesmo tempo que diminuiu a abundância relativa de Firmicutes e a relação F/B.

Pós-intervenção, os parâmetros mais reduzidos foram hormônio leptina (91%), AST (47%), espessura das pregas abdominais (38%) e subescapulares (31%), adiposidade central (29%), ALT (25%) e índices de adiposidade periférica (14%).

O estudo mostrou que uma dieta rica em probióticos combinada com um programa de fibras de baixa caloria pode melhorar a composição corporal e a redução de peso, ao mesmo tempo que corrige os níveis de leptina e AST no sangue.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

medium-shot-woman-at-the-mirror

Você conversa com você?

Image by Freepik

Um novo estudo descobriu que algumas pessoas não têm uma voz interior, denominada “anendofasia”, afetando a sua memória verbal e o reconhecimento de rimas. Os participantes sem voz interior tiveram mais dificuldades com essas tarefas do que aqueles com voz interior.

Era comum presumir-se que ter uma voz interior deveria ser um universal humano. Mas nos últimos anos, os investigadores tomaram consciência de que nem todas as pessoas partilham esta experiência.

As pessoas descrevem a condição de viver sem uma voz interior como demorada e difícil porque precisam despender tempo e esforço traduzindo seus pensamentos em palavras:

Alguns dizem que pensam em imagens e depois traduzem as imagens em palavras quando precisam dizer algo. Outros descrevem o seu cérebro como um computador que funciona bem, que simplesmente não processa pensamentos verbalmente e que a ligação ao altifalante e ao microfone é diferente da de outras pessoas. E aqueles que dizem que há algo verbal acontecendo dentro de suas cabeças normalmente descreverão isso como palavras sem som.

Esse foi o primeiro estudo no mundo a investigar se a falta de uma voz interior, ou a anendofasia, como nomearam a condição, tem alguma consequência na forma como essas pessoas resolvem problemas, por exemplo, como realizam tarefas de memória verbal.

Pessoas que relataram ter experimentado um alto grau de voz interior ou muito pouca voz interior na vida cotidiana foram submetidas a um experimento que visava determinar se havia uma diferença em sua capacidade de lembrar a entrada da linguagem e outro sobre sua capacidade de encontrar rimas para palavras.

O primeiro experimento envolveu os participantes lembrando palavras em ordem – palavras que eram semelhantes, tanto foneticamente quanto na ortografia.

“É uma tarefa difícil para todos, mas a hipótese deles era que poderia ser ainda mais difícil se a pessoa não tivesse uma voz interior, porque você tem que repetir as palavras para si mesmo dentro da sua cabeça para lembrá-las. A memória é algo que o nosso cérebro gasta muita energia para guardar. Quanto mais conexões e áreas do cérebro envolvias, maior a possibilidade de guardar a memória.” – Aponta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Os participantes sem voz interior eram significativamente piores na memorização das palavras.

O mesmo se aplica a uma tarefa em que os participantes tinham que determinar se um par de imagens continha palavras que rimassem, por ex. fotos de jarro e um carro.

Para realizar essa ação é crucial poder repetir as palavras para comparar os seus sons e assim determinar se rimam.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

Image by Freepik

Lipedema e vitamina D | Qual o papel da lipoaspiração?

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel e como tal é armazenada no tecido adiposo.

Image by Freepik

Ela apresenta uma correlação inversa com o IMC e a gordura corporal, por isso a deficiência sérica de vitamina D pode ser frequentemente observada em pacientes com lipedema. A deficiência de vitamina D é a deficiência mais comum em pacientes obesos em todo o mundo, com uma prevalência de 80–90%.

Embora não tenha evidência científica para tal, a lipoaspiração é considerada uma forma de tratamento de lipedema. Sem dúvidas a cirurgia de lipoaspiração melhora o quadro de dor da paciente, mas a cirurgia não trata a inflamação da mulher com lipedema, podendo piorar o quadro clínico da paciente caso ocorra reganho de peso pós-lipoaspiração.

Um recente estudo austríaco avaliou o impacto da lipoaspiração nos níveis séricos de vitamina d em mulheres com lipedema. No estudo eles avaliaram a vitamina D pré e pós-operatória, foram identificadas 213 lipoaspirações em 100 pacientes com lipedema no período do estudo. Após exclusão por falta de dados, foram incluídas 45 lipoaspirações em 36 pacientes que preencheram todos os critérios.

Foram analisadas 35 lipoaspirações em membros inferiores e 10 lipoaspirações em membros superiores. Todas os pacientes incluídas eram mulheres caucasianas e não se expuseram excessivamente ao sol ou substituíram a vitamina D de forma independente de acordo com a anamnese.

A média de idade das pacientes era de 38 anos, com a mais nova apresentando 19 anos e a mais idosa 71 anos. O volume médio aspirado foi de 6.600mL.

A média do nível sérico da vitamina D antes do procedimento era de 30,1 e a média pós lipoaspiração foi de 21,9.

“A lipoaspiração teve um impacto significativo nas alterações pós-operatórias dos níveis de vitamina D. Os achados também foram significativos quando se analisaram áreas tratadas separadamente (extremidades superiores e extremidades inferiores). Assim, a diminuição da vitamina D após a lipoaspiração foi significativa, independentemente do local da lipoaspiração.

Além disso, a queda da vitamina D não era proporcional ao volume aspirado. Ou seja, sempre que ocorria a lipoaspiração a vitamina D apresentava queda. Isso pode ter um impacto grande no seguimento destas mulheres que estão operando inflamadas e sem seguimento nenhum.” – Alerta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Hoje estão criminalizando o estrogênio e a gordura, mas eles são fundamentais para a saúde e bem-estar da mulher. Infelizmente poucos médicos compreendem isso e a saúde de muitas mulheres está sendo prejudicada no longo prazo.

O tecido adiposo desempenha um papel significativo no fornecimento e distribuição de energia e é essencial no armazenamento de vitaminas lipossolúveis, como a vitamina D. Sua bioatividade inclui a redução de processos inflamatórios, a regulação neuromuscular e também a absorção de cálcio, mineral essencial na osteossíntese. A deficiência de vitamina D pode levar à diminuição das respostas imunológicas, fraqueza muscular, osteoporose, doenças cardiovasculares, demência, câncer, doenças autoimunes e aumento das taxas de fraturas.

Perda de peso por meio de mudança de estilo de vida ou cirurgia bariátrica aumentam os níveis séricos de vitamina D, mas a lipoaspiração não deve ser considerada como um método de perda de peso.

Para operar qualquer mulher com lipedema deve-se realizar o tratamento clínico prévio com controle da inflamação e correção de qualquer deficiência como ferro e vitamina D.

Isso diminui o risco de qualquer complicação e permite um bom seguimento pós-procedimento

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

old-patient-suffering-from-parkinson

Você gostaria de diminuir seu risco de demência?

Image by Freepik

A demência, o termo abrangente para um espectro de doenças que afectam a capacidade de uma pessoa recordar detalhes e acontecimentos, processar dados ou tomar decisões racionais, afeta mais de 55 milhões de indivíduos e é responsável por mais de 33% de todas as mortes de adultos a nível mundial.

Embora os recentes avanços na medicina tenham resultado em reduções globais na mortalidade relacionada com doenças cardiovasculares, as tendências na prevalência da demência e na mortalidade associada à demência estão a aumentar de forma alarmante, com mais de 10 milhões de novos casos notificados a cada ano.

O azeite é uma parte fundamental da dieta mediterrânica e é a principal fonte de óleo e gordura nessa dieta. Este óleo é conhecido por ser rico em ácidos graxos monoinsaturados, vitamina E e polifenóis, compostos ricos em antioxidantes, que por sua vez retardam o início da demência e reduzem o risco da doença de Alzheimer.

No um recente estudo, os investigadores investigaram os efeitos a longo prazo do consumo de azeite numa grande coorte americana para elucidar quaisquer melhorias potenciais nos resultados de mortalidade associados à demência nesta população. Eles examinam ainda como esses resultados mudam com base na qualidade da dieta (adesão à dieta saudável) em conjunto com o consumo regular de azeite.

O estudo foi realizado com 92.383 participantes, 65,6% mulheres com média de idade de 56.4 anos,  de dois estudos de associação de longo prazo pré-existentes – o Nurses’ Health Study I (NHS; a coorte de participantes do sexo feminino) e o Health Professionals Follow-Up Study (HPFS; a coorte de participantes do sexo masculino).

Os dados do estudo foram coletados ao longo de um período de 33 anos gerando um total de 2.183.095 pessoas-ano, entre 1990 e 2023, e consistiram em avaliações bienais dos hábitos de vida e históricos médicos dos participantes.

“Como o alelo da apolipoproteína E ε4 (APOE ε4) tem sido quase onipresentemente implicado no aumento do risco de demência, especialmente para portadores homozigotos, amostras de sangue (ou bucais) de um subconjunto de participantes (N = 27.296) foram coletadas para genotipagem de APOE. Durante 28 anos de acompanhamento, ocorreram 4.751 mortes relacionadas à demência. Indivíduos homozigotos para o alelo da apolipoproteína ε4 (APOE ε4) tinham 5 a 9 vezes mais probabilidade de morrer com demência. As mulheres com lipedema têm uma proteção natural contra isso e não precisam se preocupar com a APOE ε4.” – Analisa o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Consumir pelo menos 7 g/d de azeite foi associado a um risco 28% menor de morte relacionada à demência em comparação com nunca ou raramente consumir azeite; os resultados foram consistentes após ajustes adicionais para APOE ε4. 

Nenhuma interação por escores de qualidade da dieta foi encontrada. Em análises de substituição modeladas, a substituição de 5 g/d de margarina e maionese pela quantidade equivalente de azeite foi associada a uma taxa de 8% a 14% menor risco de mortalidade por demência.

O destaque deste estudo é revelar que a ingestão consistente de azeite, quando consumido como parte de uma dieta saudável e equilibrada, pode reduzir substancialmente o risco de mortalidade relacionada com a demência associada à idade, particularmente nas mulheres.

Surpreendentemente, descobriu-se que consumir mais de 7,0 g/d de azeite reduz o risco de demência, mesmo na ausência da dieta mediterrânica, sugerindo a sua capacidade independente de retardar a progressão do declínio cognitivo.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail: