brain-composed-colorful-paint-splatters-representing-creative-flow-ideas

Nervo Vago – O mais importante nervo do corpo

O nervo vago é um provavelmente o nervo mais importante do corpo humano. Ele é o décimo nervo craniano, de doze pares de nervos cranianos

Image by Freepik

O nervo vago emerge do tronco cerebral para transportar informações entre o cérebro e vários órgãos do tórax e abdômen, incluindo o coração, os pulmões, a maior parte do trato gastrointestinal, o fígado, a vesícula biliar, o pâncreas, os rins e as gonodas.

“O nervo vago é o nervo mais longo e o mais importante do sistema nervoso autônomo, um ramo do sistema nervoso que regula a homeostase fisiológica e controla processos involuntários como respiração, frequência cardíaca, pressão arterial, digestão, cura e metabolismo. O nervo vago não é apenas um elemento central da regulação parassimpática da função cardiovascular, respiratória e gastrointestinal, mas também desempenha um papel importante na regulação dos sistemas imunológico e endócrino. O nervo vago é o grande protetor do corpo.” – Explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

O sistema nervoso autônomo é dividido em dois subsistemas, o sistema nervoso simpático, que controla as respostas de luta ou fuga, e o sistema nervoso parassimpático, responsável pelas respostas de repouso ou digestão e processos restauradores. O nervo vago faz parte do sistema nervoso parassimpático.

Embora o nervo vago tenha um papel fundamental no transporte de instruções do cérebro para os órgãos periféricos através dos seus neurônios efetores, a maioria dos seus neurônios – cerca de 80% – são, na verdade, neurônios sensoriais que transmitem sensações dos órgãos viscerais para o cérebro.

Portanto, o nervo vago tem um papel fundamental na interocepção, a sensação do estado interno do nosso corpo – o que podemos chamar de sexto sentido.

O Vagus, portanto, também desempenha um papel fundamental em informar o cérebro sobre o estado fisiológico dos órgãos internos. Esse vaivém através do nervo vago permite uma regulação de feedback dinâmico entre o cérebro e os órgãos viscerais que ajuda a manter a homeostase fisiológica.

A taxa de atividade do nervo vago é conhecida como tônus vagal, que representa a taxa de atividade parassimpática.

Quando o tônus vagal aumenta, o sistema nervoso parassimpático promove cada vez mais funções corporais associadas ao repouso. Os exemplos incluem diminuição da frequência cardíaca, pressão arterial e frequência respiratória, bem como digestão e outros processos corporais restauradores. 

Por outro lado, quando a atividade vagal diminui, as respostas simpáticas de luta ou fuga tornam-se preponderantes, levando a aumentos na frequência cardíaca, na pressão arterial e na frequência respiratória.

A atividade parassimpática e vagal tem papéis importantes nos mecanismos de autorregulação ligados à cognição e ao comportamento que apoiam o desempenho cognitivo, a regulação emocional e o envolvimento social. A menor atividade parassimpática está ligada a uma adaptabilidade prejudicada ao estresse, sendo o tônus vagal considerado um índice de vulnerabilidade ao estresse e a capacidade de lidar com (ou ser resiliente ao) estresse.

“Pessoas com tônus vagal basal mais elevado apresentaram níveis mais elevados de bem-estar subjetivo e emoções positivas, melhor regulação de emoções negativas, melhor autorregulação (ou seja, autocontrole) e melhor envolvimento social. Por outro lado, indivíduos com baixo tônus vagal apresentam recuperação prejudicada de marcadores cardiovasculares, endócrinos e imunológicos após um teste de estresse mental.” – Informa.

Como aumentar o tônus vagal?

Uma estratégia usada para aumentar o tônus vagal é a respiração profunda e lenta. A respiração controlada aproveita uma característica fisiológica conhecida como variabilidade da frequência cardíaca (VFC), que se refere às flutuações no intervalo entre os batimentos cardíacos. VFC baixa significa que a quantidade de tempo entre os batimentos cardíacos é mais semelhante. VFC alta significa que os intervalos de tempo entre batimentos variam mais. A VFC ocorre naturalmente durante o ciclo respiratório: a frequência cardíaca aumenta durante a inspiração e diminui durante a expiração. Este tipo específico de VFC é conhecido como arritmia sinusal respiratória (RSA) e é regulado por um equilíbrio dinâmico entre a sinalização simpática e parassimpática. Durante a inspiração, o centro cardiovascular (a parte do cérebro que regula a frequência cardíaca) diminui a atividade vagal, resultando em predominância simpática que acelera a frequência cardíaca, enquanto durante a expiração, a atividade vagal é restaurada e a frequência cardíaca diminui. Uma VFC mais alta é um índice de maior atividade parassimpática e tônus vagal. A VFC é maior quando estamos relaxados e diminui quando estamos sob estresse . A VFC é, portanto, considerada um marcador fisiológico de estresse.

Respirar a uma frequência mais lenta do que a frequência respiratória normal em repouso, que normalmente é de cerca de 12 respirações por minuto (rpm) em adultos saudáveis, pode aumentar a VFC, o tônus vagal e apoiar respostas mais saudáveis ao estresse. A VFC é maximizada quando a respiração é desacelerada para cerca de 6 rpm. A respiração lenta aproveita esse recurso para promover relaxamento.

A respiração 5-5-5 inspira durante 5 segundos, prende a respiração durante 5 segundos e solta a respiração durante 5 segundos é a forma mais fácil de aumentar o tonus vagal.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

medium-shot-woman-holding-can_23-2149081058-jpg-740×493-

Você lê os rótulos? Deveria

Os rótulos nutricionais podem ajudar as pessoas a comparar diferentes itens alimentares e informar a tomada de decisões mais saudáveis.

Image by Freepik

Nos últimos anos, a leitura de rótulos de alimentos aumentou dramaticamente entre os adultos, com cerca de 80% tomando decisões de compra com base nas informações do rótulo. O uso de rótulos está relacionado a melhor qualidade alimentar e resultados de saúde.

A saúde dos adolescentes é uma prioridade política, uma vez que este período da vida é crítico para o bem-estar na idade adulta. Hoje, quase 40% dos adolescentes são classificados como obeso, mas estudos sobre o uso de rótulos nutricionais neste grupo mostraram resultados contraditórios.

Em um recente estudo, os pesquisadores usaram um desenho transversal com dados coletados por meio da Pesquisa de Atividade Física e Nutrição no Texas de 2019 a 2020. Durante o ano letivo, 4730alunos (49% mulheres) da oitava e décima primeira séries preencheram questionários de pesquisa e responderam a perguntas sobre dados demográficos. informações, atividade física, nutrição, hábitos odontológicos e tempo de tela.

Seu peso e altura também foram avaliados para cálculo do índice de massa corporal (IMC). Os alunos também foram questionados se usavam rótulos de alimentos para informar suas escolhas alimentares. Eles foram solicitados a responder em uma escala Likert com cinco pontos que variavam de “Sempre” a “Nunca”. Este foi o preditor principal.

O comportamento alimentar dos alunos foi avaliado por meio de perguntas sobre a frequência com que relataram consumir diversos alimentos no dia anterior. A lista continha 13 alimentos saudáveis, como arroz integral, vegetais, frutas e carnes assadas, e 13 alimentos não saudáveis, como leite aromatizado, carnes fritas, bebidas com cafeína e sobremesas congeladas. Para incluir o consumo durante a semana, as pesquisas de consumo alimentar foram aplicadas de terça a sexta-feira.

Essas informações informaram o cálculo do índice de alimentação saudável (IAS) e do índice de alimentos saudáveis (IHF) de 0 a 100, onde uma pontuação maior indicava uma alimentação mais saudável. Os desfechos primários do estudo foram o IAS, o IHF e o índice de alimentos não saudáveis (UFI).

Os resultados deste estudo mostraram claramente uma relação dose-resposta. Os benefícios do uso de rótulos de alimentos foram maiores para aqueles que os utilizavam com mais frequência, e os alunos que sempre usaram rótulos de alimentos tiveram dietas significativamente mais saudáveis do que outros grupos. Porém, apenas 11% dos alunos faziam uso constante dos rótulos dos alimentos, indicando que poucos utilizam esse recurso.

“Apesar destes benefícios, muitos adolescentes podem ter dificuldade em compreender a complexa informação nutricional contida nos rótulos. A utilização destas informações para orientar a tomada de decisões relacionadas com os alimentos requer compreender e responder às informações sobre quais os nutrientes que devem ser evitados ou limitados (sódio, açúcares adicionados e gorduras saturadas) e aqueles que são saudáveis (por exemplo, minerais e fibras alimentares). Devemos orientar os jovens a não usar os alimentos com as marcações no rótulo de alto teor sódio, açúcar adicionado e alto em gordura saturada. Isso tem o poder de mudar uma geração de forma muito rápida e a RDC 429 ajudou muito nisso.”  – Aconselha o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Estudos futuros podem explorar os mecanismos por trás das associações observadas, como incentivar a alfabetização alimentar e o uso de rótulos entre os jovens, e explorar possíveis diferenças baseadas no sexo para atender às necessidades específicas de estudantes do sexo feminino e masculino.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

Image by Freepik

5 maneiras de aumentar o GH naturalmente

O hormônio do crescimento humano (GH) é um importante hormônio produzido pela glândula pituitária.

Image by Freepik

Ele desempenha um papel fundamental na regulação do crescimento em crianças. O GH também apoia o metabolismo e melhora o crescimento muscular, a força e a massa corporal magra.

Níveis baixos de GH podem diminuir sua qualidade de vida, aumentar o risco de doenças e levar ao ganho de gordura corporal.

No entanto, observe que não é recomendado tratar alterações na composição corporal ou no desempenho físico relacionadas à idade com hormônio do crescimento, pois pode aumentar o risco de doenças neoplásicas, como o câncer.

Se você suspeitar que possa ter níveis baixos de hormônio do crescimento, um médico pode diagnosticar a deficiência de hormônio do crescimento usando vários testes, incluindo o teste de tolerância à insulina, teste de estimulação com GHRH-arginina ou teste de estimulação com glucagon.

“Embora a deficiência de hormônio do crescimento – uma condição frequentemente causada por distúrbios genéticos e outras condições de saúde – exija tratamento médico, fazer alterações em sua dieta e escolhas de estilo de vida conforme indicado por um profissional de saúde pode ser benéfico para manter o GH dentro da faixa normal. Hoje, temos visto um aumento da deficiência da produção de GH em crianças que pode ser devido ao uso excessivo de telas e sequela do COVID. Mas muitos adultos estão utilizando para performance sem ter ideia dos malefícios que pode gerar na saúde.” – Alerta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Aqui estão 5 maneiras baseadas em evidências para aumentar os níveis do hormônio do crescimento humano (GH) naturalmente.

1. Perder gordura visceral

A quantidade de gordura na barriga que você carrega está diretamente relacionada à produção de GH.

As pessoas com níveis mais elevados de gordura visceral podem ter prejudicada a produção de GH e aumentado o risco de doenças.

Um estudo mais antigo descobriu que ter maiores quantidades de gordura visceral estava associado a níveis mais baixos de HGH.

Outro estudo de 2005 monitorou a liberação de GH em 24 horas e encontrou um grande declínio naqueles com mais gordura visceral.

O excesso de gordura abdominal também está relacionado a muitas doenças crônicas. Portanto, perder gordura visceral pode ajudar a otimizar os níveis de GH e outros aspectos da saúde.

2.  Jejum intermitentemente

Estudos mostram que o jejum leva a um grande aumento nos níveis de GH.

Curiosamente, um estudo recente com 47 pessoas descobriu que os níveis de GH aumentaram cinco vezes durante um jejum de 24 horas.

Outros estudos mais antigos também demonstraram aumento da secreção de HGH após jejuns de 2 ou 5 dias .

“No entanto, o jejum contínuo não é sustentável a longo prazo. O jejum intermitente é uma abordagem dietética mais popular que limita a alimentação a breves períodos de tempo.

Vários métodos de jejum intermitente estão disponíveis. Uma abordagem comum é uma janela diária de alimentação de 8 horas com jejum de 16 horas. Outra envolve limitar a ingestão diária de calorias durante 2 dias por semana. O jejum se faz a noite sem pular o café da manhã.” – Informa.

O jejum intermitente pode alterar os níveis de GH de duas maneiras principais. Primeiro, pode ajudar a diminuir a gordura corporal, o que afeta diretamente a produção de GH.

Em segundo lugar, manterá os seus níveis de insulina baixos durante a maior parte do dia, uma vez que a insulina é libertada quando você come. Estudos sugerem que os picos de insulina podem interromper a sinalização do hormônio do crescimento .

Embora jejuns mais curtos de 12 a 16 horas também possam ser benéficos, há pesquisas limitadas disponíveis, já que a maioria dos estudos se concentra nos efeitos dos jejuns de um dia inteiro.

3. Considere suplementar arginina

Segundo estudo, a arginina pode aumentar o GH.

Embora algumas pessoas tendam a usar aminoácidos como a arginina junto com o exercício, vários estudos mais antigos mostram que o exercício pode atenuar ou reduzir a resposta do hormônio do crescimento.

No entanto, um estudo mais antigo observou que tomar arginina e lisina – sem qualquer exercício – aumentou significativamente os níveis deste hormônio.

Um estudo recente realizado com 30 homens ativos descobriu que tomar 10 gramas (g) de arginina após um jejum noturno levou a um aumento modesto nos níveis de GH.

No entanto, é importante conversar com um médico antes de adicionar arginina à sua rotina, especialmente se você estiver tomando outros medicamentos ou tiver algum problema de saúde subjacente.

A suplementação de arginina a longo prazo tem sido associada a efeitos adversos à saúde, especialmente em adultos mais velhos.

4. Reduza a ingestão de açúcar

Um aumento na insulina pode alterar a expressão dos neurônios que liberam GH .

De acordo com um estudo mais antigo em pessoas com obesidade, níveis elevados de insulina podem reduzir os níveis de hormônio do crescimento. Como os carboidratos refinados e o açúcar são os que mais aumentam os níveis de insulina, reduzir a ingestão pode ajudar a otimizar os níveis do hormônio do crescimento.

Além de afetar diretamente os níveis de insulina, a ingestão excessiva de açúcar é um fator chave no ganho de peso e na obesidade, que também afeta os níveis de GH.

Procure alcançar uma dieta balanceada, pois o que você come tem um efeito profundo na saúde, nos hormônios e na composição corporal.

5. Considere tomar um suplemento de GABA

O ácido gama aminobutírico (GABA) é um aminoácido encontrado no cérebro, na medula espinhal e em outras partes do corpo, onde funciona como um neurotransmissor.

Como um conhecido agente calmante para o cérebro e o sistema nervoso central, há pesquisas limitadas que mostram que ele também pode aliviar o estresse e promover o sono.

Curiosamente, também pode ajudar a aumentar os níveis de GH.

Um estudo de 2008 descobriu que tomar um suplemento de 3g de GABA levou a um aumento de 400% no HGH em repouso e a um aumento de 200% após o exercício.

“Ao melhorar o sono, isso poderia aumentar potencialmente os níveis de GH, já que a liberação noturna do hormônio do crescimento está ligada à qualidade do sono.” – Explica.

No entanto, são necessárias mais pesquisas sobre os efeitos a longo prazo do GABA nos níveis do hormônio do crescimento.

Além disso, é importante consultar um profissional de saúde antes de tomar GABA para minimizar os efeitos colaterais adversos e prevenir interações com outros medicamentos.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

beautiful-young-woman-smiles-tender-standing-rooftop-rays-evening-sun

Você age com o coração?

Image by Freepik

O corpo humano compreende uma intrincada rede que é regulada por múltiplos mecanismos para garantir a eficiência em seus processos. Existe uma coordenação fenomenal entre as diferentes partes do corpo quando se trata da função de tomada de decisões. Pesquisadores anteriores afirmam que a presença de dois sistemas no corpo influencia o papel dos sistemas analíticos e experienciais de tomada de decisão.

A existência destes sistemas apoiou a hipótese do sistema dual formulada no passado. De acordo com essas teorias, o sistema experiencial é rápido e leva em consideração experiências emocionais e intuições ao tomar decisões.

Por outro lado, o sistema analítico é comparativamente lento e leva em consideração o raciocínio lógico na tomada de decisões. Essas teorias funcionam bem e aderem às pesquisas das últimas décadas nas áreas da consciência interoceptiva e da cognição incorporada.

O coração humano compreende um sistema nervoso intrínseco que tem a capacidade de modular as funções da memória de curto e longo prazo.

Ele contém aproximadamente 40.000 neurônios, especificamente neurites sensoriais. Neurites sensoriais são basicamente fibras nervosas especializadas em todo o coração que regulam a atividade cardíaca. Uma rede desses gânglios de neurites compreende o sistema nervoso intracardíaco. Integra as entradas da inervação extrínseca e desempenha um papel fundamental nas funções de memória.

O comportamento de escolha é uma consequência de compromissos deliberados e de lógica que é diferente de considerar a ação e a percepção. A pesquisa contemporânea sobre a tomada de decisão incorporada explica as fronteiras dissolvidas entre cognição, ação e percepção.

A tomada de decisões é igualmente influenciada pelo raciocínio lógico, bem como pela intuição ou pelos chamados “instintos do coração”. As experiências emocionais desempenham um papel vital na tomada de decisão junto com a lógica contemporânea.

A ideia de que o processo de tomada de decisão envolve cognição incorporada e re-representação somática dá origem a uma conclusão importante. Essa cognição incorporada origina-se dos circuitos neurais incorporados, mais distantes das estruturas límbicas profundas, até os lobos frontais do cérebro craniano. Isso nos ajuda a atingir o marco de que nosso processamento neuroceptivo depende fortemente dos aferentes autonômicos.

Existem dois sistemas neurais principais interagindo com esses aferentes autonômicos, a saber, a rede cardíaca intrínseca e a rede cardíaca extrínseca.

A tomada de decisões é um aspecto importante e inevitável da vida humana, variando desde a determinação de decisões insignificantes até decisões que influenciam a vida. O processo de tomada de decisão pode ser resumido como a escolha da melhor alternativa entre uma infinidade de opções para alcançar o resultado desejado. Isto requer o estabelecimento de numerosas redes neurais entre vários fatores associados à decisão e criação de combinações possíveis e à especulação de seus possíveis resultados. Em suma, é um processo altamente coordenado que consome a maior parte da energia do cérebro. Isto também apoia o facto de que tomar muitas decisões também leva à fadiga, pois é um processo metabolicamente caro. No caso de averiguar uma decisão, as neurites sensoriais modulam seus efeitos transmitindo seus sinais neurais por vias ascendentes através do nervo vago e da medula espinhal. Esses sinais neurais viajam para a amígdala, tálamo, hipotálamo e, finalmente, para o córtex cerebral. Os sinais neurais pré-estabelecidos assim formados são remodelados mediante a intervenção das entradas do sistema nervoso cardíaco intrínseco. A tomada de decisão pode ser de vários tipos, como fisiológica, comportamental e psicológica. As neurites sensoriais, através de suas vias ascendentes, influenciam todos os três tipos de decisões no córtex cerebral.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

Tiny doctors examining gut flora flat vector illustration. Therapists checking digestive system, gastrointestinal tract, bowel, friendly microorganisms or bacteria. Nutrition, health concept

Psicoprobióticos. Será que eles realmente funcionam?

Image by Freepik

A depressão é um distúrbio biológico complexo influenciado por uma variedade de mecanismos moleculares, como a redução de neurotransmissores, uma diminuição no fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), um eixo hipotálamo-pituitária-adrenal HPA  anormalmente estressado, um aumento nas respostas microbianas intestinais pró-inflamatórias, e interação entre a microbiota intestinal e o cérebro via nervo vago. O eixo intestino cérebro e os micróbios intestinais estão inextricavelmente ligados, com a microbiota influenciando os resultados neurocomportamentais através de mecanismos endócrinos, neuronais e imunológicos. A disbiose, ou uma interrupção no eixo intestino cérebro, pode alterar o microbioma intestinal, influenciando a função neuronal, imunológica e a inflamação intestinal.

O estresse crônico prejudica a homeostase intestinal e altera a composição microbiana intestinal, aumentando Faecalibaculum e Clostridium, enquanto diminui Lactobacillus e Bifidobacterium. Modelos animais recentes demonstraram uma relação entre o eixo intestino-cérebro e a sensibilidade e resiliência ao estresse.

O microbioma intestinal influencia as respostas inflamatórias e os estados cerebrais e está associado a condições psiquiátricas, como transtorno depressivo maior, transtorno bipolar, psicose, esquizofrenia, anorexia nervosa, transtornos de ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de estresse pós-traumático e transtorno de hiperatividade e déficit de atenção (TDAH).

Em um recente estudo, os investigadores apresentaram evidências clínicas e elucidaram os mecanismos subjacentes às terapias psicobióticas para a depressão através dos seus efeitos na comunicação intestino-cérebro.

“O microbioma intestinal é uma fonte vital de metabólitos, facilitando as comunicações entre o intestino e o sistema nervoso central. Esses metabólitos consistem em triptofano, ácido gama-aminobutírico (GABA), serotonina, histamina, 5-hidroxitriptamina (5-HT), ácidos graxos de cadeia curta (SCFAs), acetilcolina e dopamina (DA). Os metabólitos microbianos impactam vários mecanismos importantes para a saúde mental, como o desenvolvimento do sistema imunológico e neuroendócrino, a modulação do metabolismo nutricional e a transformação xenobiótica. Eles também ajudam a manter a função da barreira intestinal, fortalecer a mucosa intestinal e manter fora de circulação infecções e venenos perigosos. Os SCFAs são necessários para estados emocionais e cognição, impactando o cérebro do hospedeiro através de receptores acoplados à proteína G. Eles fornecem energia aos colonócitos, protegem a barreira intestinal, regulam as respostas inflamatórias e regulam os hormônios da fome. O aumento dos SCFAs pode reduzir a neuroinflamação e aumentar a síntese de BDNF, aumentando a neuroplasticidade cerebral. Entender a microbiota é fundamental para tratar qualquer pessoa, mas nas mulheres com lipedema isso é ainda mais importante.” – Explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Os psicoprobióticos são bactérias probióticas que estimulam a saúde mental, melhorando a barreira intestinal e modificando a resposta imunológica no tecido linfóide associado ao intestino (GALT), que desempenha um papel no desenvolvimento da inflamação. A microbiota intestinal é crucial na fisiopatologia da depressão, uma vez que regula os processos inflamatórios.

Bifidobacterium breve aumenta os níveis de BDNF, reduz os níveis de interleucina-6 (IL-60) e TNF-alfa (TNF-α) e melhora a função cognitiva.

As bactérias do ácido láctico (LAB) reduzem a neuroinflamação, diminuem os níveis de quinurenina e promovem a expressão das junções entre as células intestinais. Lactobacillus plantarum aumenta os níveis de dopamina e ajuda na terapia com inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), resultando em melhor desempenho cognitivo e níveis mais baixos de quinurenina. Akkermansia muciniphila suprime citocinas inflamatórias nas células microgliais, o que reduz o comportamento depressivo. Clostridium butyricum protege contra disfunções neurológicas, enquanto Faecalibacterium prausnitzii reduz os níveis de cortisol e proteína C reativa (PCR), ao mesmo tempo que aumenta os níveis de IL-10 e reduz o comprometimento cognitivo em ratos com doença de Alzheimer.

Bacillus coagulans e Bifidobacterium longum podem ajudar nos sintomas da síndrome do intestino irritável (SII) e na depressão.

Bifidobacterium longum ajuda a diminuir o estresse e a melhorar a memória. 

“Quando combinados com antidepressivos, esses probióticos podem curar efetivamente a depressão refratária a tratamento medicamentoso.” – Completa.

Probióticos como Lactobacillus casei Shirota e Lactobacillus gasseri melhoram a saúde geral e diminuem os transtornos de humor.

A medicação probiótica com múltiplas cepas também melhora a saúde geral, alivia os sintomas de ansiedade e reduz a inflamação.

A bebida de soja fermentada com Lactobacillus gasseri ajuda indivíduos saudáveis a dormir melhor e a se sentirem menos estressados. Bebidas lácteas probióticas e pasta de sementes de soja fermentadas melhoram o desempenho cognitivo em indivíduos com comprometimento cognitivo moderado e doença de Alzheimer.

A revisão destaca o envolvimento dos probióticos na redução dos sintomas depressivos e a sua importância na saúde mental. A microbiota intestinal é crucial para a digestão, absorção de alimentos e alterações psiquiátricas, como redução do estresse e ansiedade. Com a mudança de ênfase na vida moderna, de doenças infecciosas para doenças mentais mais comuns, como a depressão, bons hábitos alimentares e função intestinal ideal são essenciais para o bem-estar mental, com os probióticos desempenhando um papel importante

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

patient-enjoying-free-time-after-chemotherapy-treatment

9 exames alterados em câncer jovem

Image by Freepik

Pesquisadores que procuram pistas sobre por que alguns tipos de câncer estão aumentando em adultos mais jovens dizem ter encontrado uma pista interessante: uma conexão com o envelhecimento biológico acelerado.

O envelhecimento é o maior risco para muitos tipos de câncer, o que significa que quanto mais você envelhece, maior a probabilidade de ser diagnosticada com câncer.

No entanto, cada vez mais compreendemos que a idade cronológica não tem grande valor quando falamos de saúde global. Temos de entender e compreender o desgaste do corpo, causado pelo estilo de vida, pelo estresse e pela genética, que pode ser chamado de idade biológica.

Vários tipos de câncer estão a tornar-se cada vez mais comuns entre adultos jovens no mundo todo. Compreender os fatores que impulsionam este aumento será fundamental para melhorar a prevenção ou detecção precoce do cancro nas gerações mais jovens e futuras.

O envelhecimento acelerado foi associado ao aumento da incidência de tumores sólidos em adultos jovens, de acordo com uma pesquisa apresentada na Reunião Anual de 2024 da Associação Americana para Pesquisa do Câncer (AACR), realizada de 5 a 10 de abril.

Os pesquisadores analisaram os registros médicos de 148.724 pessoas com idades entre 37 e 54 anos que participam do UK Biobank.

Eles se concentraram em nove marcadores sanguíneos que demonstraram se correlacionar com a idade biológica:

Albumina

Uma proteína produzida pelo fígado que diminui com a idade

Creatinina

Um produto residual no sangue produzido pela digestão de proteínas e pela degradação do tecido muscular; uma medida da função renal. Níveis mais baixos se correlacionam com melhor longevidade.

Glicose

Com a idade, o açúcar no sangue permanece mais alto por mais tempo após as refeições.

Proteína c reativa (PCR)

Produzida pelo fígado em resposta à inflamação; níveis relativamente mais altos correspondem a um envelhecimento mais rápido

Porcentagem de linfócitos

A concentração desses glóbulos brancos relacionados à função imunológica tende a diminuir com a idade.

Volume corpuscular médio

Uma medida do tamanho médio dos glóbulos vermelhos, que aumenta com a idade

Amplitude de distribuição dos eritrócitos (RDW)

A diferença entre o tamanho dos menores e maiores glóbulos vermelhos de uma pessoa, que tende a aumentar com a idade

Fosfatase alcalina

Uma enzima produzida principalmente pelo fígado e ossos que tende a aumentar com a idade

Contagem de glóbulos brancos

O número de glóbulos brancos no limite superior da faixa normal no sangue pode corresponder a um maior envelhecimento.

Esses nove valores foram então inseridos em um algoritmo chamado PhenoAge, usado para calcular a idade biológica de cada pessoa. Os pesquisadores determinaram o envelhecimento acelerado comparando a idade biológica das pessoas com a idade cronológica.

Eles então verificaram os registros de câncer para ver quantos no grupo haviam sido diagnosticados com cânceres precoces, que os pesquisadores definiram como cânceres que aparecem antes dos 55 anos. Foram diagnosticados quase 3.200 tipos de câncer.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas nascidas em 1965 ou depois tinham 17% mais probabilidade de apresentar envelhecimento acelerado do que aquelas nascidas entre 1950 e 1954.

O que um envelhecimento mais rápido pode nos dizer sobre o risco de câncer?

O envelhecimento acelerado estava associado a um risco aumentado de câncer. As associações mais fortes foram observadas com câncer de pulmão, estômago, intestino e útero.

Em comparação com as pessoas que tiveram o menor envelhecimento mais rápido na amostra do Biobank, aquelas que obtiveram pontuações mais altas tiveram o dobro do risco de câncer de pulmão de início precoce, risco mais de 60% maior de tumor gastrointestinal e risco mais de 80% maior de câncer uterino.

Os resultados do estudo podem apontar para uma forma melhor de encontrar pessoas com maior risco de contrair cancro quando são jovens. Neste momento, os jovens adultos que não têm histórico familiar ou outro fator de risco não são regularmente examinados para a maioria dos tipos de cancro.

Estamos vendo cada vez mais cânceres, especialmente cânceres gastrointestinais e de mama, em indivíduos mais jovens. E se tivermos uma maneira de identificar quem corre maior risco de podemos recomendar a triagem em um momento diferente.

“Se conseguirmos encontrar pessoas que correm maior risco porque as suas células envelhecem mais rapidamente, também podemos visar e estimular intervenções no estilo de vida como nutrição, exercício e sono que são fundamentais para diminuir ou retardar ou envelhecimentos. Caber num vestido ou se preparar para o projeto verão não geram resultados bons no longo prazo quando passa a fase da empolgação” – Comenta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Existem medicamentos que também parecem poder retardar o envelhecimento acelerado, chamados senolíticos, medicamentos que se acredita terem como alvo e eliminação de células danificadas e envelhecidas.

Neste momento, não está claro quem poderá beneficiar destes medicamentos, mas avaliações de envelhecimento acelerado como o PhenoAge poderão um dia ajudar a indicar aos médicos as pessoas que mais necessitam deles.

DOI: https://doi.org/10.1158/2159-8290.CD-NW2024-0021

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

woman-bottle-yogurt_

Probióticos e Diabetes

Image by Freepik

A prevalência global de diabetes aumenta a cada ano. As estimativas atuais indicam que cerca de 465 milhões de adultos, entre 20 e 79 anos de idade em todo o mundo, vivem atualmente com diabetes.

Apesar dos recentes avanços nos tratamentos antidiabéticos, uma proporção significativa de pacientes continua a apresentar um controle glicêmico abaixo do ideal. Entre várias novas estratégias para o controle glicêmico, o direcionamento da microbiota intestinal por meio de probióticos e outras terapêuticas foi proposto como uma nova abordagem para o controle do diabetes.

No DM1, que se refere à deficiência de insulina, e no DM2, que ocorre devido à resistência à insulina, foram relatadas alterações específicas na composição e função da microbiota intestinal, que são coletivamente chamadas de disbiose intestinal.

“Os probióticos são microrganismos vivos associados a inúmeros benefícios à saúde por meio de sua capacidade de restaurar a homeostase da microbiota intestinal, melhorar a integridade do trato gastrointestinal e reduzir a inflamação. Hoje é impossível tratar alguém de forma adequada sem respeitar a flora intestinal. As mulheres com lipedema, embora raramente tenham diabetes, se beneficiam muito de uma modulação da flora intestinal.”  – Explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Os simbióticos, que são combinações de probióticos e prebióticos, também estão ganhando atenção no campo do controle do diabetes para aumentar o crescimento e as funções de microrganismos benéficos presentes no trato gastrointestinal.

Um recente artigo de revisão com quase 3000 pessoas (54% mulheres) com diabetes estudadas revelou que a suplementação de probióticos e simbióticos está associada a melhorias significativas nos níveis de glicose plasmática em jejum, insulina sérica e HbA1C.

A análise de subgrupos demonstrou que a eficácia das intervenções testadas varia entre os tipos de cepas microbianas utilizadas e entre países.

As formulações multiespécies foram associadas a uma eficácia superior na melhoria dos níveis de HbA1C em comparação com as formulações monoespécies. Esta observação enfatiza a importância das formulações multiespécies para alcançar o controle glicêmico persistente.

Comparativamente, as formulações monoespécies foram associadas a efeitos mais consistentes em diferentes resultados, sugerindo assim a sua aplicabilidade mais ampla no tratamento da diabetes. Os simbióticos também foram associados a uma maior eficácia do que os probióticos na melhoria dos níveis séricos de insulina.

“O tipo de cepa bacteriana utilizada nas intervenções geralmente emergiu como um determinante significativo. Especificamente, certas cepas de Lactobacillus (por exemplo, Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus casei) e Bifidobacterium lactis mostraram efeitos pronunciados, especialmente em formulações multiespécies que confirmam resultados pré-clínicos” – Analisa.

Os resultados do estudo sugerem que os probióticos e simbióticos podem ser eficazes como terapias complementares para o controle do diabetes. Além disso, o estudo sublinha a necessidade de mais pesquisas personalizadas que considerem variáveis como tipos de cepas e fatores geográficos para aprofundar a compreensão do papel dessas intervenções no tratamento do diabetes.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

hand-holding-fish-oil-omega-3-capsules

Qual o melhor horário para tomar vitamina D?

A vitamina D é uma vitamina extremamente importante, mas é encontrada em poucos alimentos e é difícil de obter apenas através da dieta.

Image by Freepik

Hoje todo mundo sabe que a vitamina D é muito importante. Os suplementos de vitamina D devem ser tomados com alimentos para maximizar a absorção.

Como uma grande percentagem da população mundial está em risco de deficiência, a vitamina D é um dos suplementos nutricionais mais comumente utilizado

No entanto, muitos fatores podem influenciar a sua eficácia, incluindo quando e como você toma a sua dose diária.

“A vitamina D se difere das outras vitaminas porque é considerada um hormônio e é produzida pela pele como resultado da exposição solar. Obter vitamina D suficiente é essencial para a saúde, pois ela desempenha um papel na função imunológica, na saúde óssea, na saúde mental e muito mais. No entanto, a maioria das pessoas apresenta deficiência de vitamina d tanto por falta de ingesta e produção quanto por excesso de consumo devido à inflamação crônica. Quanto mais gordura no corpo, como nas mulheres com lipedema, maior a chance da pessoa apresentar deficiência de vitamina d por consumo. Por isso, a suplementação é fundamental” – Informa o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

A suplementação é uma maneira fácil e eficaz de atender às suas necessidades de vitamina D, especialmente se você corre risco de deficiência.

A vitamina D é uma vitamina solúvel em gordura, o que significa que não se dissolve na água e é melhor absorvida na corrente sanguínea quando combinada com alimentos ricos em gordura.

Por esse motivo, é recomendado tomar suplementos de vitamina D durante as refeições para aumentar a absorção.

De acordo com um estudo mais antigo, tomar vitamina D com a maior refeição do dia aumentou os níveis sanguíneos de vitamina D em cerca de 50% após apenas 2–3 meses.

Num outro estudo com adultos mais velhos, consumir vitamina D juntamente com uma refeição rica em gordura aumentou os níveis sanguíneos de vitamina D em 32% após 12 horas, em comparação com uma refeição sem gordura.

Abacates, nozes, sementes, laticínios integrais e ovos são fontes nutritivas de gordura que ajudam a aumentar a absorção de vitamina D.

Muitas pessoas preferem tomar suplementos como vitamina D logo pela manhã. Não só é mais conveniente, mas também é mais fácil lembrar suas vitaminas pela manhã do que no final do dia. Além disso, tomar a vitamina D no café da manhã seria o mais fisiológico possível.

Por esse motivo, talvez seja melhor adquirir o hábito de tomar o suplemento de vitamina D com um café da manhã nutritivo.

Tomar no final do dia pode afetar o sono

Vários estudos associam baixos níveis de vitamina D no sangue a um maior risco de distúrbios do sono, pior qualidade do sono e redução da duração do sono.

Por outro lado, um estudo 2013 sugeriu que níveis mais elevados de vitamina D no sangue podem estar ligados a níveis mais baixos de melatonina – o hormônio responsável pela regulação do ciclo do sono – em pessoas com esclerose múltipla.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

medium-shot-woman-with-delicious-food

Faz mal comer rápido?

A obesidade é um dos maiores problemas de saúde em todo o mundo. É uma doença complexa que não é causada simplesmente por má alimentação, inatividade ou falta de força de vontade.

Image by Freepik

Muitas pessoas comem sua comida rapidamente e sem pensar. É um hábito muito ruim que pode levar a excessos, ganho de peso e obesidade. Para começar, seu cérebro precisa de tempo para processar sinais de saciedade.

Pode levar até 20 minutos para o seu cérebro perceber que você está satisfeita.

Quando você come rápido, é muito mais fácil comer muito mais comida do que seu corpo realmente precisa. Com o tempo, a ingestão excessiva de calorias pode levar ao ganho de peso.

Um estudo realizado em crianças descobriu que 60% das pessoas que comiam rapidamente também comiam em excesso. Os comedores rápidos também tinham 3 vezes mais probabilidade de estar acima do peso

Uma revisão de 2015 descobriu que quem comia rápido tinha aproximadamente duas vezes mais probabilidade de ser obeso, em comparação com quem comia devagar.

“Comer rápido não só aumenta o risco de ficar com sobrepeso e obesidade, mas também está relacionado a outros problemas de saúde, incluindo resistência a insulina, diabetes tipo 2, síndrome metabólica, má digestão e menor satisfação.  Quem come rápido rápido tende a avaliar as suas refeições como menos agradáveis, em comparação com quem come devagar. Resumindo não existe nenhum benefício em comer rápido. Todos estes sintomas serão piores nas mulheres com lipedema pois as mesmas são muito sensíveis a oscilações de metabolismo.” – Comenta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Comer mais devagar pode trazer vários benefícios à saúde.

Pode aumentar os níveis de hormônios da saciedade, ajudá-la a se sentir mais satisfeita e diminuir a ingestão de calorias. Também melhora a digestão e o prazer dos alimentos.

Se você quiser comer mais devagar, aqui estão algumas técnicas que você pode tentar:

1. Não coma na frente das telas.

Comer na frente de uma TV, computador, smartphone ou outro dispositivo pode fazer com que você coma rápido e sem pensar. Também pode fazer você perder a noção de quanto comeu.

2. Troque o garfo de mão a cada garfada.

Isso ajuda você a desacelerar e aproveitar mais cada mordida.

3. Não fique com muita fome.

Evite ficar com muita fome entre as refeições. Isso pode fazer com que você coma muito rápido e tome decisões erradas sobre alimentação. Mantenha algumas oleaginosas por perto para evitar que isso aconteça.

4. Beba água.

Beber água durante a refeição irá ajudá-la a se sentir saciada e desacelera a velocidade que você irá comer.

5. Mastigue bem.

Mastigue os alimentos com mais frequência antes de engolir. Pode ser útil contar quantas vezes você mastiga cada mordida. Procure mastigar 10 vezes.

6. Coma alimentos ricos em fibras.

Alimentos ricos em fibras, como frutas e vegetais, não apenas saciam muito, mas também demoram muito para mastigar.

7 Dê pequenas mordidas.

Dar mordidas menores ou comer alimentos menores pode ajudá-la a diminuir o ritmo de alimentação e fazer com que a refeição dure mais.

Como todos os novos hábitos, comer devagar exige prática e paciência. Comece com apenas uma das dicas acima e desenvolva o hábito a partir daí.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

 

 

Image by Freepik

O tamanho do seu lanche importa?

Image by Freepik

O tamanho de um lanche individual não influencia apenas a rapidez com que uma pessoa o ingere, mas também a quantidade que ingere, de acordo com um novo estudo da Universidade da Pensilvania. Com quase um quarto da ingestão diária de calorias proveniente de lanches, estas descobertas podem ter implicações para ajudar as pessoas a compreender melhor como o comportamento alimentar afeta a ingestão de calorias e sódio.

No estudo eles investigaram como o tamanho dos pretzels influencia o comportamento alimentar – ingestão total, taxa de alimentação, tamanho da mordida e duração do lanche – e descobriu que as pessoas comem pretzels maiores mais rapidamente com mordidas maiores.

Eles também descobriram que, embora as pessoas comessem pretzels menores mais lentamente e com mordidas menores, e comessem menos no geral, ainda tinham maior ingestão de sódio. 

O estudo foi realizado com 75 adultos (75% mulheres) , que consumiram lanches em três horários distintos no Centro de Avaliação Sensorial. Este lanche era uma porção de 70 g (cerca de 2,5 porções) de um dos três tamanhos de pretzel (pequeno, médio, grande).  Para calcular a taxa de alimentação e o tamanho da mordida, os pesquisadores gravaram em vídeo cada sessão de lanche, observando quantos minutos cada participante passou comendo e o número de mordidas. Eles também mediram quanto cada participante comeu em peso e calorias.

Quando os participantes receberam a mesma quantidade de comida, quanto comeram -; tanto no peso quanto nas calorias do lanche -; dependia do tamanho da unidade, com os participantes do estudo consumindo 31% e 22% mais pretzels grandes em comparação com os pretzels pequenos e médios, respectivamente.

O tamanho do pretzel também influenciou a taxa de alimentação e o tamanho da mordida, com o maior tamanho do pretzel produzindo a taxa de alimentação mais rápida e o maior tamanho médio da mordida.

Os investigadores também relataram que, depois de contabilizar o comportamento alimentar, o tamanho do pretzel por si só não afetou significativamente a quantidade que uma pessoa comia, sugerindo que o comportamento alimentar que os diferentes tamanhos de pretzel incitavam estava a impulsionar a ingestão total.

“Seus resultados sugerem que um tamanho maior de pretzel induz a pessoa a comer mais rapidamente e a dar mordidas maiores. Isso é importante quando pensamos em pico glicêmico. Mas as calorias de produtos que abrimos com as mãos e comemos com as mãos são muito perigosas para a população em geral. Agora vou associar o tamanho do lanche a essa frase. Picos de glicemia engordam muito, pois criam resistência a insulina.” – Afirma o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular médico especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância (online).

Juntas, essas descobertas indicam que o tamanho da unidade influencia a ingestão, afetando o comportamento alimentar e mostram que características dos alimentos, como o tamanho da unidade, podem ser aproveitadas para moderar a ingestão de lanches.

A relação entre o tamanho do pretzel e a ingestão de sódio também chamou atenção.  O tamanho menor tem mais área de superfície para o mesmo peso, então os pesquisadores levantaram a hipótese de que mais sal total na superfície significa que um lanche consumiria mais sódio ao comê-los.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail: