diagnostico-lipedema-dr-daniel-benitti

Você acha importante o diagnóstico do Lipedema? O seu já foi feito?

5/5 - (1 vote)

Saiba a importância de ter um médico humano cuidando de você e aprenda um pouco sobre a história da medicina.

 

Diagnóstico do Lipedema.

A elucidação da doença também é social e cultural, o que é muito fácil de identificar no Lipedema.

 

O diagnóstico é onde se inicia o tratamento do Lipedema. No entanto, o objetivo deve ser sempre conhecer e entender o que o paciente está passando e utilizar um tratamento individualizado. Ou seja, a arte de cuidar para trazer conforto e compreensão ao invés de medo.

Novos meios de “conhecer” o paciente no nível molecular e genético, paradoxalmente, distanciaram os médicos de conhecer o ser humano que vivencia a doença.

O diagnóstico poderia ser uma arte mais ampla que abre espaço para a multiplicidade, o significado e as relações por meio das quais a doença se desenvolve e é vivenciada.

Como diagnosticar Lipedema?

Para Hipócrates e seus contemporâneos gregos antigos, o conhecimento central para o diagnóstico era mais sobre o paciente do que sobre a natureza da doença, envolvendo os hábitos, dieta e ocupação da pessoa. Hipócrates introduziu a arte da observação no âmbito da medicina grega: olhar para o paciente, em vez de explicações sobrenaturais para uma causa de problemas de saúde. Naquela época, os médicos eram mais artesãos do que profissionais. Sua reputação baseava-se não apenas no diagnóstico, mas no prognóstico, sendo capaz de prever quais sintomas uma pessoa poderia desenvolver, quanto tempo a doença duraria e quem nunca se recuperaria.

Antes de 1700, na tradição ocidental, pouco esforço era gasto no diagnóstico: as pessoas visitavam o cirurgião-barbeiro para a maioria das doenças, que sangrava, purgava, arrancava dentes e cortava cabelo sem discriminação. Por volta de 1700, o pensamento anatômico interrompeu a compreensão predominante da doença como um desequilíbrio de humores. A dissecção de órgãos doentes tornou-se parte das ciências médicas e Morgagni enfatizou o uso de um bisturi para localizar o “lugar onde residia a doença”.  Em contraste, o humoralismo conectava a doença ao reino da natureza por meio da correspondência dos 4 humores com os 4 elementos de terra, fogo, água e ar; foi um processo de olhar para fora.

O pensamento anatômico voltou a medicina para dentro; tornou-se importante examinar o corpo em busca de pistas, lê-lo como um texto. O nascimento do diagnóstico moderno ocorreu com o tratado de Auenbrugger sobre percussão, Inventum Novum, em 1761. A percussão era o ultrassom de sua época, permitindo ao médico, pela primeira vez, “ver” o corpo e determinar fluido no espaço pleural, um coração dilatado , cavidades no pulmão, aumento de órgãos abdominais e outras anormalidades. 

A percussão foi seguida nas décadas subsequentes por grandes avanços na leitura do corpo: o estetoscópio, o termômetro, o oftalmoscópio e o medidor de pressão arterial. Em vez de depender de relatórios subjetivos dos sintomas dos pacientes ou das habilidades de exame dos médicos, ferramentas como o termômetro forneceram informações mensuráveis e reproduzíveis sobre o corpo em seus estados de doença e saúde. O termômetro distanciou a análise de dados do trabalho de aquisição de dados; uma enfermeira pode medir e registrar as temperaturas, enquanto um médico pode analisar o significado da febre para um determinado paciente. À medida que o exame de pacientes e seus fluidos corporais se tornou uma arte especializada, o hospital cresceu em importância como um lugar para adquirir e praticar a nova arte médica.

Enquanto a tecnologia – da percussão à análise genômica – melhorou as habilidades dos médicos de sentir, medir e ver a doença, a experiência da doença ficou em segundo plano. Ainda assim, em todas as culturas, a doença é carnuda, cheia de matéria e experiência corporal; ela ocorre no nível corporal.

A elucidação da doença também é social e cultural, regida por normas, atitudes e convenções intelectuais que configuram as formas de saber. Isso é muito fácil de identificar no Lipedema. Embora seja uma doença do tecido adiposo, é uma pessoa que está inflamando e não apenas a gordura. Entender e compreender o que acontece é fundamental para o sucesso do tratamento no longo prazo. Temos de entender as doenças de uma forma sistêmica. As pessoas precisam entender que elas necessitam de introspecção e autoconhecimento e não de uma bateria de exames ou cirurgia.

O desafio da medicina hoje é de conexão e comunicação. Como os médicos que passam muito mais horas na frente do computador começam a saber a natureza da experiência vivida pela doença da paciente?

Por que as pacientes, cada vez mais excluídas do processo diagnóstico por sua complexidade, aceitariam as recomendações de indivíduos que parecem pouco atentos ao seu corpo?

Por que as pacientes procuram tanto na internet uma forma de tratar os seus males?

O diagnóstico precisará ser melhor, mais rápido, menos caro, mais preciso, mas também deve se tornar uma arte ampla, com espaço para parentesco, multiplicidade, experiência subjetiva e cálculo moral. O diagnóstico deve ter espaço para o não saber. O diagnóstico deve ser centrado na pessoa, abrangendo os elementos humanos voltados para o exterior que são facilmente relegados ao reino da doença. 

Precisamos recuperar o significado e a cura nas artes do diagnóstico. 

“Guerir quelquefois, soulanger souvent, consoler toujours” – (Curar às vezes, aliviar frequentemente, confortar sempre). Pasteur

LEIA TAMBÉM: Cerca de 11 milhões de brasileiras têm Lipedema, mas a maioria não sabe.

LEIA TAMBÉM: Qual o melhor tratamento para Lipedema?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Leave A Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.